sábado, 16 de fevereiro de 2013

A cerveja


A cerveja no Mundo, no Brasil e em Santos.

"A boca de um homem completamente feliz, está cheia de cerveja".

A cerveja é a bebida preferida da grande maioria dos brasileiros e também de muitos países. Segundo dados do Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja(SINDIVERV) o brasileiro consome anualmente mais de 10,3 bilhões de litros da bebida.
Este número coloca o Brasil no quarto posto entre os maiores consumidores de cerveja do mundo. Encabeçando a lista dos grandes bebedores mundiais estão os chineses, com a marca de 35 bilhões de litros ano, seguidos pelos os Estados Unidos com 23 bilhões, e Alemanha com 10,7 bilhões de litros.Esses números, porém, não colocam os brasileiros entre os grandes consumidores per capita de cerveja no mundo. Os dados do SINDICERV indicam que com um consumo anual de 47 litros per capita, o Brasil ocupa a nona posição no ranque mundial. A República Tcheca, líder no consumo de cerveja per capita, registra o consumo de 158 litros por habitante ao ano. 

Meus grandes amigos José Aquino e Isaias de Santa Cruz do Rio Pardo com certeza superam os padrões tchecos de consumo; aliás, a minha terra Santa Cruz do Rio Pardo está seguramente entre os municípios brasileiros de maior consumo per capita de cerveja.
                   
Antiga cervejaria da Brahma em Porto Alegre

"Cerveja Marca Barbante" foi a denominação genérica dada às primeiras cervejas brasileiras que, com sua fabricação rudimentar, tinham um grau tão alto de fermentação que, mesmo depois de engarrafadas, produziam uma enorme quantidade de gás carbônico, criando grande pressão. A rolha era, então, amarrada com barbante para impedir que saltasse da garrafa. Refrescante e de baixo teor alcoólico, a cerveja foi aos poucos conquistando popularidade em nosso país tropical.
A cerveja é um produto com longa tradição no Brasil, surgindo já referências a esta bebida em documentos que datam do século XVII. No entanto, a sua ascensão foi demorada e tortuosa, sendo que, no início do século XIX, a cachaça e o vinho eram as bebidas alcoólicas preferidas pelo povo. Nessa época, a cerveja já era produzida, mas o seu consumo não se encontrava generalizado, antes permanecendo como uma produção caseira e típica de populações imigrantes. Por outro lado, devido à pressão e influência portuguesas, o vinho era a bebida mais comercializada. Tal situação só seria modificada com a abertura dos portos brasileiros a artigos de outras origens que não portuguesa, sendo a cerveja um desses produtos.
Em 1882 formou-se uma sociedade que iria dar origem a uma marca que, ainda hoje, desempenha um papel de grande relevo na indústria cervejeira brasileira. Assim, surge a expressão "Antarctica", fruto da associação entre Louis Bucher e Joaquim Salles, este último proprietário de um matadouro de suínos com aquele nome, local onde possuía uma máquina de fazer gelo. Tal fato revestiu-se de enorme importância, pois as fábricas não produziam cerveja com marca alguma, já que esta era vendida diretamente dos barris e, nos poucos casos em que era engarrafada, não possuía um rótulo próprio.
O passo seguinte para esta sociedade foi a criação da "Antarctica Paulista - Fábrica de Gelo e Cervejaria", firma que, como o nome indicava, se dedicava à produção de gelo e produtos alimentícios. No entanto, esta marca não ficaria por muito tempo sozinha no mercado.
Em 1888, um imigrante suíço de nome Joseph Villiger, acostumado ao sabor das cervejas europeias e inconformado com a má qualidade das cervejas fabricadas no Brasil, resolveu abrir o seu próprio negócio, começando a fazer cerveja em casa. 
Deste modo, a 6 de Setembro desse ano, é registrada a "Manufactura de Cerveja Brahma Villiger & Companhia", fundada pelo próprio Villiger, por Paul Fritz e por Ludwig Mack, sendo então comercialmente lançada a Cerveja Brahma. A manufatura foi inaugurada com uma produção diária de 12.000 litros de cerveja e 32 funcionários. 

Começava aí uma luta que sobreviveu até quase os nossos dias.

O crescimento de ambas as empresas é grande e quase imediato. Em 1889 é publicado o primeiro anúncio de uma marca de cerveja brasileira: "Cerveja Antarctica encontra-se à venda na Rua Boa Vista 50A" podia ler-se no jornal "A Província de São Paulo" (atualmente o jornal O Estado de São Paulo).
No ano seguinte, a Antarctica aumenta o seu quadro de funcionários para 200 e a sua capacidade de produção passa a ser de 40 mil hectolitros/ano. Este desenvolvimento leva a que a empresa se transforme numa sociedade anônima. Com 61 acionistas, passando então a chamar-se Companhia Antarctica Paulista S/A.

Dois destes acionistas, João Carlos Antônio Zerrener e Adam Ditrik von Bullow, eram sócios numa empresa de importação em Santos, algo que facilitou a compra de máquinas e matéria prima para a cervejaria.
A cerveja possui alto valor nutritivo e é fácil e rapidamente assimilada pelo organismo. Repositoras de eletrólitos, as cervejas são bebidas que possuem 400/kcal/litro, o que corresponde a aproximadamente 15% das necessidades diárias de um adulto e equivale, em termos de proteína, a 100g de carne, 700 ml de leite integral ou seis ovos cozidos. Os sais minerais incluídos em sua composição - 0,4g/l - correspondem a 10% das necessidades de um ser humano.
Além disso, as cervejas são ricas em vitaminas, sobretudo as do chamado complexo B. A vitamina B1 auxilia no funcionamento dos músculos, nervos e cérebro; a B2 colabora para a manutenção dos tecidos; a B5 atua no metabolismo dos carboidratos e gorduras; os minerais, como cálcio e fósforo, são essenciais para a composição dos ossos; e o potássio, junto com o cálcio, assegura, entre outros benefícios, o bom funcionamento do coração.


Na elaboração da cerveja os principais componentes são:   O lúpulo é uma planta trepadeira que contém a substância amarga lupulina. O lúpulo tem duas funções principais na produção da cerveja: um deles é de atuar como bactericida e também, o lúpulo é o responsável pelo sabor amargo e aroma característico da cerveja. Normalmente o lúpulo é importado da Alemanha e dos Estados Unidos.
O malte é a cevada germinada depois que os grãos são umedecidos. Nosso malte é importado principalmente da Europa (Alemanha, Dinamarca, Bélgica e França) e do Canadá, porque são considerados maltes de alta qualidade.
A levedura é composta por micro-organismos que são responsáveis pela transformação dos açúcares em álcool e gás carbônico. Nossa levedura (fermento da cerveja) é importada da Alemanha.
A água é responsável por cerca de 90% da fórmula da cerveja, ou seja, se a cerveja for produzida com água de boa qualidade, a cerveja também será de boa qualidade. Para produzir 1 litro de cerveja é necessário, em média, de 10 litros de água. 

Os cervejeiros não têm hora nem dia especial para tomar uma bem gelada. A cerveja é companheira da alegria e da tristeza, dos sucessos e dos insucessos e tomada, desde que bem gelada, em bares, restaurantes, reuniões de amigos, festas e até sozinho numa mesa de bar, curtindo uma dor de cotovelo.
Sexta-feira à noite é considerada por muitos o dia nacional da cerveja.
O assunto cerveja é tão sério que até Santos cervejeiros existem:
Os Santos da cerveja- escrito por Tridez

Então você já sabe, hoje na hora da cervejinha, também rola a dose pro santo!






Santo Agostinho (354 – 430) – É considerado oficialmente, pela Igreja Católica, o Padroeiro dos Cervejeiros. Data de celebração: 28 de agosto.
Santo Adriano – Não há registro de seu nascimento. Foi um soldado romano que morreu no ano 303, mártir da perseguição romana aos cristãos. Seus feitos em relação à cerveja são desconhecidos, mas ele é considerado patrono da cerveja na Áustria. Data da celebração: 8 de setembro.

http://www.cervejasdomundo.com/Santo_Arnaldo.htm
Santo Arnaldo (1040 – 1087) – Patrono dos colhedores de lúpulo. Foi adotado por camponeses da região na qual ele pregava. Brabant (Bélgica), maior produtora de lúpulo naquela época. A ele é creditado o milagre, enquanto servia no exército belga, de ter conseguidocerveja para as tropas, ao rezar e apelar a Deus. Ficou famoso por curar doentes de uma praga, fazendo-os beber cerveja de um tanque no qual havia mergulhado seu crucifixo. Data de celebração: 15 agosto.
Santo Arnulf de Metz (580 – 640) – Patrono dos cervejeiros, nasceu na Áustria, mas ficou famoso como Bispo de Metz (França). A ele é creditado o milagre de não deixar esvaziar uma caneca de cerveja que foi servida aos seus seguidores que transportavam seu corpo para ser enterrado em Champigneulles, na Bélgica. Data de celebração: 18 de julho.






São Wenceslau (907 – 929) – Santo Padroeiro da região da Boêmia e protetor dos cervejeiros. Data de celebração: 28 de setembro.





São Columbano – Sua importância para a Igreja Católica como disseminador da doutrina cristã se deve ao seu trabalho de peregrinação pela Europa, fundando mosteiros numa época decisiva para o Cristianismo.Ganhou, com isso, a cultura cervejeira, pois esses mosteiros foram os grandes incubadores das cervejarias modernas. Não há nenhuma data oficial de celebração em sua homenagem.










Várias histórias e lendas já foram contadas sobre a cerveja. Eis algumas delas :
A cerveja mata?
Sim. Sobretudo se a pessoa for atingida por uma caixa de cervejas com garrafas cheias. Anos atrás, um rapaz,ao passar pela rua, foi atingido por uma caixa de cerveja que caiu de um caminhão levando-o à morte instantânea. Além disso, casos de infarto do miocárdio em idosos teriam sido associados as propagandas de cervejas com modelos.
Para dar um pouco de alegria aos seus soldados na segunda guerra, os britânicos construíram um navio cervejeiro capaz de fabricar 250 barris por semana.
O ritual para se tomar cerveja na antiguidade era dos mais estranhos: as pessoas se reuniam e bebiam com canudinho, em jarros de barro.
A cervejaria escocesa BrewDog lançou em 2010 a cerveja com maior teor alcoólico do mundo com 41%. Ela foi batizada com o nome Sink the Bismarck.
Já a norte-americana Samuel Adams Utopias, que possui 25% de graduação alcoólica é uma das mais caras do mundo, com custo de R$ 750 (a garrafa de 550 ml) ou R$ 75 (a dose de 50 ml).
"A cerveja é a prova viva de que Deus nos ama e nos quer ver felizes." Benjamin Franklin



"A perfeição não pode ser concebida sem uma forte dose de egoísmo, orgulho, tenacidade e de cerveja. " Charles De Gaulle

"Dê-me uma mulher que ame a cerveja e eu conquistarei o mundo. " Kaiser Wilhelm

"Nem todos os produtos químicos são maus. Sem elementos químicos tais como o hidrogênio e o oxigênio, para dar exemplo, não haveria nenhuma maneira fazer água, um ingrediente vital para a cerveja. " Dave Barry
"Eu bebo para fazer as outras pessoas interessantes." Dave Barry
"Cerveja: a causa e a solução de todos os problemas da vida." Homer Simpson
"24 horas num dia, 24 garrafas num engradado. Coincidência? Não me parece...” Stephen Wright
“A cerveja americana é como sexo numa canoa: demasiado próxima da água.” Eric Idle
"Pessoas que gostam de cerveja sem álcool não gostam verdadeiramente de cerveja; elas apenas gostam de urinar!” Anônimo
“Do suor do Homem e do amor de Deus veio a cerveja ao mundo.” Santo Arnaldo
“Aquele que não gosta de cerveja, vinho, mulheres e música será um tolo toda a sua vida.” Carl Worner

Historias à parte, várias dicas e conselhos que são repassadas pelos cervejeiros convictos, e que devem ser seguidas para melhor saborear uma cerveja:
- Cerveja não é vinho! Ela sai pronta da cervejaria e não pede, portanto, envelhecimento. Quanto mais jovem for consumida, melhor será seu sabor. Dura em média 90 dias.
-Os alemães sabem o que fazem: tomar cervejas muito geladas prejudica tanto a formação de espuma na cerveja, quanto “adormece” as papilas gustativas, comprometendo o sabor. A maioria dos  brasileiros não concorda preferindo tomar as cervejas estupidamente geladas.
- O armazenamento correto é em pé, em lugar fresco e protegido do sol, para evitar oxidação prematura.
-A bebida deve resfriar na geladeira sem pressa. A violência do congelamento no freezer prejudica a bebida.
- Depois de gelada, deve ser consumida e jamais voltar à geladeira.
- A cerveja é quase água com cerca de 92% de sua composição. Para você ter ideia, numa lata de 350 ml, apenas 28 ml são de álcool, ou seja: a bebida é hidratante (pelo menos quando ingerida moderadamente.). Além disso, é rica em vitaminas, carboidratos, proteínas e aminoácidos.
- Colarinho branco não é só enfeite: ele age como isolante térmico e preserva os aromas e o gás carbônico da bebida. Dois dedos de espuma é o ideal!
- A diferença do chope em relação à cerveja é que ele passa por um processo de pausterização, um tipo de choque térmico utilizado para eliminar os germes patogênicos da bebida.
- Cervejas fazem mais espuma no copo de plástico do que no de vidro porque a água da bebida interage melhor em contato com o vidro.
- O copo deve estar bem seco, caso contrário a espuma não se formará.
- Copos e canecas pequenos e de cristal são os ideais, pois mantém melhor a temperatura e a espuma.
- Resíduos de gordura no copo são fatais para a bebida: acabam com o colarinho e liberam o gás carbônico, deixando o líquido meio choco.
- Cerveja não engorda! É folclore associar o consumo de 80 calorias de um copo de 200 ml com a formação de barriga. Os acompanhamentos gordurosos é que engordam.Até duas latas de cerveja por dia faz bem à saúde. Isso porque melhora a circulação, aumenta o nível de colesterol bom e dilata os vasos.
Agora já sabem: cerveja boa é bem gelada, mas não congelando, tem colarinho e é servida em caneca de cristal!










Não é só nos gramados que os países da América do Sul se enfrentam. No bar também! Você já ouviu falar da Copa Libertadores da cerveja? Não?! Pois ela existe, se chama South Beer Cup e é considerado o maior campeonato de cerveja da América do Sul. Na edição de 2012, em Blumenau, reuniu de 21 a 24 de março, mais de 200 rótulos de 71 cervejeiros artesanais do Uruguai, Chile, Brasil e Argentina.
Foto:Carol Mendonça









O evento contou com a avaliação às cegas de 23 juízes especialistas dos países participantes, acrescido de Pete Slosberg, espécie de guru dos microcervejeiros. Todo o júri passou dois dias reclusos das 9h ao fim da tarde com a ‘triste missão‘ de provar os rótulos competidores. Entre os nossos cervejeiros participantes, Eduardo Passarelli, dono do bar Melograno, marcou presença. (clica ai embaixo e confira as 10 melhores cervejas do Brasil em 2012).
Depois de avaliadas, as melhores cervejas recebiam medalhas ou uma menção honrosa. Como houve categorias em que nenhuma cerveja ganhou medalha, somente cinco ouros foram distribuídos, sendo quatro destes para o Brasil. Ainda assim, três medalhas foram para uma única cervejaria, a mineira Wäls, que ainda angariou o prêmio de melhor cervejaria do ano. Maior que esse evento, só o  World Beer Cup,que premia as melhores cervejas do mundo.
Bom, deixemos o blábláblá de lado e vamos ao que interessa. Selecionei os rótulos brasileiros de cerveja que levaram ouro e prata nas diferentes categorias do South Beer Cup para você experimentar e comprovar (ou não) as 10 melhores cervejas do Brasil em 2012.
Wäls Pilsen (5% teor alcoólico): com esse rótulo, a cervejaria de Belo Horizonte levou o ouro na categoria Pilsen e foi considerada a melhor da América do Sul. Apesar de o estilo ser produzido e consumido em larga escala no Brasil, essa Pilsen original theca de aparência dourada e com espuma aveludada, é uma das poucas que conservam as características da receita original, com maior corpo e amargor. (R$ 12,90)

Bierbaum Dunkel (5,8% teor alcoólico): no South Beer Cup ganhou ouro na categoria Dunkel , que é uma cerveja escura de baixa fermentação do estilo germânica, levemente amarga onde se destaca a torrefação do malte. A cerveja pertence aos irmãos Bierbaum e é produzida na cidade de Treze Tílias, Santa Catarina. (R$ 10,90).

Wäls Petroleum (12% teor alcoólico): a cerveja ouro na categoria Imperial Stout, surgiu de uma união entra a receita da Dum, uma cervejaria de fundo de quintal, literalmente, de Curitiba, com a cervejaria Wäls, dos irmãos Carneiro (José Felipe e Tiago). O fermentado é elaborado com mais seletos ingredientes, com amargor do lúpulo em equilíbrio com a potência dos maltes. A textura é licorosa, densa e aveludada. Os aromas são de malte torrado, chocolate belga e toffe. A bebida é maturada com cacau belga. (R$ 16,50)

Wäls Brut (11% teor alcoólico):: ouro na categoria cervejas especiais, a cerveja que lembra champanhe é a mais cara das cervejas artesanais. Para produzir a receita, José Felipe viajou à França para aprender com as vinícolas e, quando voltou a Minas, construiu uma adega subterrânea com temperatura de 16 graus o ano inteiro. A cerveja fica nove meses repousada lembra um bom espumante seco, com sabor frutado intenso e médio amargor. (R$ 120)


Way Irish Red Ale (5% teor alcoólico): neste rótulo que levou a prata na categoria Red Ale, o malte é o protagonista. A bebida de cor avermelhada possui aroma de caramelo e toffe, com gosto inicial doce e, posteriormente, de maltes tostados. Para a produção da Red, foram usados cinco diferentes maltes caramelizados importados. (R$ 8,90)

Bierland Pale Ale (4,8% teor alcoólico): prata na categoria Pale Ale, a cerveja conta com uma cor âmbar acobreada, é limpa e brilhante. O estilo surgiu através da tentativa em desenvolver uma cerveja mais consistente e clara. São três diferentes tipos de malte usados em sua confecção, que lhe confere nuances de caramelo, além das notas frutadas. Os dois tipos de lúpulo trazem bom amargor e final seco. (10,90)
  

Seasons Green Cow (6,2% teor alcoólico): a primeira cerveja da Seasons ganhou prata na categoria India Pale Ale. Influenciada pela escola americana de cervejas, a receita conta com muito lúpulo, oferecem um amargor intenso, coloração âmbar, levemente turva, porém com um drinkability alto (conceito que mede quanto à bebida é agradável e induz ao consumo novamente, sem causar saciedade). (R$ 15,95)
  

Bierbaum Weiss Helles (4,9% teor alcoólico): a cerveja de trigo de alta fermentação ganhou a prata na categoria Trigo, usando em sua formulação apenas maltes de trigo e de cevada. Por ter baixo teor alcoólico, oferece uma sensação leve e refrescante. A coloração amarela turva e boa formação de creme são características próprias das cervejas Weiss Européias. Seu aroma destaca o cravo e em segundo plano a banana passa, com discreto amargor de lúpulo. (10,90)

Backer 3 Lobos Bravo Imperial Porter (9% teor alcoólico): rótulo da cervejaria Backer, de Belo Horizonte, a Imperial Porter conquistou a prata na categoria cervejas especiais. A receita de sucesso foi apostar em um aroma fortemente amadeirado (resultado da maturação em barril de madeira umburana), além do chocolate amargo e café. Seu teor alcoólico é bem alto. (R$ 11,90)
Onde encontrar: Melograno, Empório Alto dos Pinheiros e Cerveja Gourmet


Em Santos, uma cidade praiana, a cerveja, como não poderia deixar de ser, é muito apreciada. Na praia, nos bares, em festas com amigos, a cerveja não
pode faltar.
Nos sábados e domingos com o sol escaldante, na praia, a cerveja é presença obrigatória para alegria de todos nós.
Em Santos, existem muitos bares e restaurantes onde se pode tomar uma boa gelada.
Vamos escolher três lugares para você, se não conhece, ir para conferir e se divertir.Se já conhece, voltar e indicar para os amigos.
BAR HEINZ

Bar mais tradicional de Santos, clássico da boemia santista, o HEINZ sempre é eleito como tendo o melhor Chopp da cidade.
Serve Chopp Brahma seguindo todo o ritual merecido,com copos exclusivos para isso, sempre numa ótima temperatura, ajudando a espantar o calor enfrentado por quem escolhe  as mesas da agitada varanda no fim da tarde. Sua combinação de cerveja gelada e petiscos típicos germânicos, herança deixada pelo alemão Karl Heinz continua imbatível.                                                                  
O bar foi inaugurado em 1960, mas foi em 1939 que o navio alemão Windhuk aportou em Santos com mais de 200 tripulantes, fugindo de um cerco naval inglês e ali permaneceu numa quarentena que durou anos.
Quando o Brasil entrou na guerra, em 1942, muitos desses alemães já estavam integrados à Santos, com muitos amigos na cidade e habituados aos costumes locais. E um deles era Karl-Heinz Misfeld que, anos depois, com a ajuda do amigo e, pouco depois, sócio, José Anastácio dos Santos, montou o Heinz.
Garçons prestativos e antigos na casa, fazem do Heinz um local único.
Bem frequentado, com ambiente agradável e bonito, além de ótima localização, bem no canal 3 e próximo à praia, tornam o Heinz uma unanimidade em Santos.
Dois telões, serviço de primeira, mesas em um deck coberto por toldo e uma parte interna bem charmosa são atrativos bem fortes pra ir fazer uma visita.
A porção de salsichão com molho de mostarda e batata é pedida certa sempre.
Do lado alemão, você pode se acabar no kassler, no joelho de porco, no lombo com batatas, nos salsichões, nas porções de gorgonzola, parmesão, nas tábuas de frios ou nos canapés, sem se esquecer do steinhaeger para acompanhar os chopps que, claro, serão muitos.
Do lado mais "tupiniquim" do cardápio, mergulhe nos caranguejos e nos mariscos, ambos servidos nos finais de semana, na companhia de caprichadas caipirinhas.
Preço um pouco salgado, mas por ser um bar tradicional e de alto nível, merece esse valor.


O Bar Heinz fica na Rua Lincoln Feliciano, 104 - Boqueirão.
Telefone: 13.3286.1875
Site: www.barheinz.com.br









Restaurante Santa Felicidade

Você está procurando um lugar agradável para aquele almoço em família depois de uma bela praia? Quer tomar um chopp geladíssimo no final de tarde checando seus e-mails através de wifi, fazer um happy hour com os amigos? Ou prefere jantar com aquela pessoa especial, saboreando deliciosos frutos do mar ao som de música ao vivo? 
No Restaurante e Chopperia Santa Felicidade você pode fazer tudo isso.
Localizada em ponto nobre da orla da bela praia de Santos, com um agradável ambiente que consegue mesclar sofisticação e descontração na medida certa,o Santa Felicidade é um dos destaques gastronômicos do litoral paulista.
Utilizando somente ingredientes da mais alta qualidade e peixes e frutos do mar sempre fresquíssimos, recebidos diariamente, nosso cardápio contempla o melhor das cozinhas caiçara e internacional. Oferece também porções variadas e fartas, deliciosos drinks e batidas, além de chopp e cervejas sempre geladíssimas. 
Tudo isso acompanhado de música ao vivo e de um serviço impecável, para tornar os seus momentos de lazer simplesmente perfeitos! 
Mas espere, você quer fazer uma reunião de negócios, ou fazer sua festa? Não há problema, podemos atendê-lo seja qual for sua necessidade, oferecendo desde um salão reservado até um cardápio fechado!Consulte sobre a disponiblidade da data pretendida e eles terão prazer em atendê-lo.
Além de tudo isso,o Santa Felicidade é totalmente adaptado para portadores de necessidades especiais, oferece wifi gratuito para os clientes e dispõe também de fraldário para tranquilidade das mamães.
Localização:
O Santa Felicidade Restaurante e Chopperia está localizado na Avenida Bartolomeu de Gusmão 119, esquina com a Rua Januário dos Santos, no bairro da Aparecida, em Santos. Ou seja: defronte a praia, entre os canais 5 e 6, bem próximo ao Praiamar Shopping Center, em local com facilidade de estacionamento. Venha conhecer!

                                                                             SANTOS CHOPP                                                                                                                                       
Localizado numa das ruas mais chiques e disputadas pelos empresários de Santos, o Santos Chopp veio mesmo para ficar.
Construído do em 2006 o bar trouxe ainda mais requinte (etilicamente falando) para a rua Azevedo Sodré.
O ambiente remete aos botecos da década de 50, com decoração toda em preto e branco, azulejos inclinados revestindo todas as paredes, um grande bar no fundo com duas grandes chopeiras que não param de mandar o líquido sagrado pros copos dos clientes.
Muitas mesas, cadeiras com estofado, gente bonita e bom atendimento garantem o retorno à casa com certeza, tudo isso com um chopp Brahma maravilhoso.


Conquistou o prêmio de Chopeira Especialista durante 4 anos seguidos (2007-2010), realizado pela Ambev. Ganhou o Bronze como a Terceira Melhor Choperia do Brasil e ainda o Prêmio de Colarinho do Ano, nos anos de 2009 e 2010.
Um ótimo lugar para o happy hour, reunir grandes grupos de amigos ou um simples jantar em família, o bar possui 210 lugares, e conta com uma varanda de teto retrátil, muito disputada, pois dali vê-se o grande movimento da rua e o entra e sai dos frequentadores. Duas TV´s passam jogos de futebol e alguns shows.
As porções são bem pequenas e por um preço bastante injusto (por volta de R$25,00), muita gente reclama da quantidade, porém é de ótima qualidade. 
A especialidade da casa é o cremoso Chopp Brahma, servido gelado e com 3 dedos de colarinho.Nas noites de terça-feira tem muito movimento por, devido ao chopp ser em dobro, e nos finais de semana o movimento é grande também.
  



Uma excelente localização, público, chopp premiado e bom atendimento, realmente é digno de ser visitado certo?
O Santos Chopp fica na Rua Azevedo Sodré, 76 - Vila Rica.
Telefone: 13.3224.9134
Site: www.santoschopp.com.br










Em Campinas, no bairro do Cambuí, onde já morei há muitos atrás, fica o Bar Brejas, o melhor bar de cervejas do Brasil.

Bem-vindo ao Bar BREJAS, uma experiência cervejeira.

MAIS DE 180 RÓTULOS DE 12 PAÍSES, TODAS HARMONIZADAS COM UM CARDÁPIO EXCLUSIVO
O Bar que nasceu de um Site na internet. O sítio brejas.com.br é hoje um dos mais acessados do país quando o assunto é cerveja. São mais de mil cervejas cadastradas em um ranking, que hoje é referência tanto para os consumidores, quanto para os cervejeiros, importadores, etc. Só navegar pelo site do Brejas já é uma diversão e tanto para aqueles de gostam de cerveja e de comidas realmente boas e apetitosas.
O BREJAS é feito por amigos (ou “Confrades”) absolutamente fanáticos e estudiosos da cerveja, que viajam o mundo todo em busca dos mais diferentes e exclusivos rótulos. No site, dedicam-se ao que chamam de “beer-evangelizar”, ou seja, levar as novidades cervejeiras ao público brasileiro tão carente de estilos diferentes de cerveja. Essa experiência não tardou em sair do mundo virtual e entrar no real.
O BAR BREJAS É A MATERIALIZAÇÃO DO QUE O SITE BREJAS JÁ FAZ NA INTERNET. Nosso staff é treinado para ajudar o cliente a encontrar os melhores rótulos de acordo com os seus gostos pessoais. Nosso cardápio de porções e lanches é inteiramente harmonizado com os estilos das cervejas disponíveis no Bar, a fim de tornar a experiência cervejeira ainda mais intensa e inesquecível.

HÁ MAIS DE 120 ESTILOS DIFERENTES DE CERVEJA NO MUNDO. POR QUE BEBER APENAS UM DELES?
No Bar Brejas você terá a companhia de quem, como você, quer buscar sabores e aromas que vão além das “pilsens” de massa. Nossos rótulos são selecionados para proporcionar o que há de melhor nas chamadas “cervejas especiais”, que são brejas — nacionais e importadas — que se respeitam um bom padrão de qualidade em seus insumos e em seus métodos de fabricação.
Venha ao Bar Brejas e surpreenda-se com esse novo mundo cervejeiro que você sequer sabia que existia. 
BREJA não é um termo conhecido em todos os estados do Brasil. Mas, em vários deles, como é o caso de São Paulo, breja é uma gíria usada como sinônimo de cerveja. "Que tal tomar umas brejas hoje? "O que você achou dessa breja aí?"Então, na próxima vez que for ao baler, pratique, peça suas cervejas por BREJAS!
Alem das cervejas e chopps maravilhosos e Bar Brejas é também um sonho da gastronomia cervejeira. Os pratos e acompanhamentos para você saborear acompanhando a cerveja ou chopp, são de enlouquecer. As opções oferecidas pelo cardápio do Bar Brejas nos dão aquela sensação de incerteza em escolher o que escolher e pedir um pouco de tudo.
Fotos :Bar Brejas - www.brejas.com.br , barbrejas.com/cardapio


     

   







Fontes :
http://baressantos.blogspot.com.br/2011/11/santos-chopp.html; http://baressantos.blogspot.com.br/search/label/Heinz;
http://www.barheinz.com.br/galeria.html;http://www.santafelicidadesantos.com.br/a-casa.html; http://www.santoschopp.com.br/html/empresa.html#ancora;
http://www.vip.abril.com.br
http://www.brejas.com.br
                                  

Nenhum comentário:

Postar um comentário