segunda-feira, 11 de março de 2013

Conhecendo o Canadá

O Canadá é um país que ocupa grande parte da América do Norte e se estende desde o Oceano Atlântico, a leste, até o Oceano Pacífico, a oeste. Ao norte o país é limitado pelo Oceano Ártico. É o segundo maior país do mundo em área total, superado apenas pela Rússia, e a sua fronteira comum com os Estados Unidos, no sul e no noroeste, é a mais longa fronteira terrestre do mundo.


A bandeira do Canadá
Seu desenho consiste em um retângulo de proporção largura-comprimento de 1:2. A bandeira apresenta um quadrado branco ao centro, com as laterais em vermelho. O centro do quadrado e da bandeira possui uma folha de bordo vermelho estilizada, com 11 pontas. As duas barras verticais vermelhas significam os oceanos Pacífico e Atlântico, a barra branca o território do Canadá enquanto que a folha estilizada representa as matas cobertas de bordo.
O bordo é uma árvore (ou arbusto) do género Acer. Existem aproximadamente 125 espécies, a maioria das quais são nativas da Ásia, mas várias espécies também ocorrem na Europa, África setentrional e América do Norte.
As diferentes espécies de bordo ou são classificadas numa família própria, a Aceraceae, ou (juntamente com a Hippocastanaceae) incluídas na família Sapindaceae. Classificações modernas, incluindo a classificação do Grupo de Filogenia de Angiospermas, favorecem a inclusão em Sapindaceae.
A palavra ácer deriva de uma palavra latina que significa "agudo" (referindo-se às pontas características das folhas) e foi empregada pela primeira vez para o género pelo botânico francês Joseph Pitton de Tournefort em 1700.
Da seiva da árvore é produzido o xarope de bordo ou xarope de ácer, consumido principalmente com torradas, panquecas e rabanadas.

Os Grandes Lagos são um conjunto de cinco lagos situados na América do Norte, entre o Canadá e os Estados Unidos. Formado pelos lagos Superior, Michigan, Huron, Erie e Ontário, os Grandes Lagos são o maior grupo de lagos de água doce do mundo, e a bacia hidrográfica dos Grandes Lagos e do Rio São Lourenço é o maior reservatório de água doce do mundo. Para se ter ideia da imensidão lacustre, se somarmos as áreas de todos os seis grandes lagos norte-americanos, chegar-se-á a uma área em torno de    244 .304 km2.
A região dos Grandes Lagos-São Lourenço é uma zona densamente habitada na América do Norte, onde o centro econômico e mais de 40% da população canadiana estão concentrados, e onde inúmeras grandes cidades canadianas e americanas estão localizadas. Estas cidades incluem Toronto, Chicago, Cleveland, Milwaukee, Rochester, Minnesota e Buffalo nas margens dos Grandes Lagos, e Montreal e Quebec, nas margens do São Lourenço.
Embora os cinco lagos estejam em bacias separadas, eles estão interligados, formando um único corpo grande de água doce. Os lagos formam uma cadeia que liga o centro da América do Norte ao Oceano Atlântico. Do interior até a saída no rio São Lourenço, a água flui do Superior para o Michigan-Huron (nesse caso, os dois lagos formam, juntos, um único grande lago), corre para o sul até o Erie e, depois, para o norte até o Ontário. Os lagos são conectados com vários rios, e possuem cerca de 35 mil ilhas. A região dos Grandes Lagos não contém apenas os cinco grandes lagos principais, mas também centenas de lagos menores, chamados de lagos interiores. Dos cinco lagos, o Lago Michigan é o único que se encontra totalmente dentro dos Estados Unidos, enquanto os outros formam a fronteira aquática entre os Estados Unidos e o Canadá.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Grandes_Lagos_da_Am%C3%A9rica_do_Norte
As terras ocupadas pelo Canadá são habitadas há milênios por diferentes grupos de povos aborígines. Começando no fim do século XV, expedições britânicas e francesas exploraram e, mais tarde, se estabeleceram ao longo da costa Atlântica do país. A França cedeu quase todas as suas colônias na América do Norte em 1763 depois da Guerra dos Sete Anos. Em 1867, com a união de três colônias britânicas da América do Norte em uma confederação, o Canadá foi formado como um domínio federal de quatro províncias. Isto começou com um acréscimo de províncias e territórios e com um processo de aumento de autonomia do Reino Unido. Esta ampliação de autonomia foi salientada pelo Estatuto de Westminster de 1931 e culminou no Canada Act de 1982, que eliminou os vestígios de dependência jurídica do Parlamento Britânico.
O Canadá é uma federação composta por dez províncias e três territórios, uma democracia parlamentar e uma monarquia constitucional, com a rainha Elizabeth II (Isabel II) como chefe de Estado — um símbolo dos laços históricos do Canadá com o Reino Unido — sendo o governo dirigido por um primeiro-ministro, cargo ocupado atualmente (2013) por Stephen Harper. É um país bilíngue e multicultural, com o inglês e o francês como línguas oficiais. Um dos países mais desenvolvidos do mundo, o Canadá tem uma economia diversificada, dependente dos seus abundantes recursos naturais e do comércio, particularmente com os Estados Unidos, país com que o Canadá tem um relacionamento longo e complexo. É um membro do G8, do G20, da OTAN, da OCDE, da OMC, da Comunidade das Nações, da Francofonia, da OEA, da APEC e das Nações Unidas.
Acredita-se que a origem do nome Canadá venha da palavra iroquesa kanata, que significa aldeia ou povoado. Em 1535, nativos americanos vivendo na região utilizaram a palavra para explicar ao explorador francês Jacques Cartier o caminho para a aldeia de Stadacona,[12] local onde encontra-se atualmente a cidade de Quebec. Cartier utilizou a palavra não somente em referência a Stadacona, mas bem como à toda região sujeita ao domínio de Donnacona, então cacique de Stadacona. Por volta de 1547, mapas europeus passaram a nomear esta região, acrescida das áreas que a cercavam, pelo nome Canada.

A partir do século XVII, aquela parte da Nova França, situada ao longo do rio São Lourenço e das margens norte dos Grandes Lagos, era conhecida como Canadá. Posteriormente, foi dividida em duas colônias britânicas, Canadá Superior e Canadá Inferior, até a união das duas como uma única Província Britânica do Canadá, em 1841.
Até a década de 1950, o Canadá era oficialmente — e comumente — chamado de Dominion of Canada (Domínio do Canadá). À medida que o Canadá adquiriu maior autoridade e autonomia política do Reino Unido, o governo federal passou a utilizar cada vez mais somente Canada em documentos oficiais, em documentos governamentais e em tratados. Com o Canada Act de 1982, o nome oficial do país passou a ser simplesmente Canadá, assim escrito nos dois idiomas oficiais do país, o inglês e o francês. Com o Canada Act, o dia da independência canadense, 1 de julho, mudou de nome, de Dominion Day para Canada Day.
Estudos arqueológicos e genéticos indicam uma presença humana no norte de Yukon há 26 500 anos e no sul de Ontário há 9 500 anos. As planícies de Old Crow e as cavernas de Bluefish são dois dos mais antigos sítios arqueológicos de habitação humana (paleoamericanos) no Canadá. Entre os povos das Primeiras Nações, há oito mitos únicos de criação e suas adaptações.

As características das civilizações aborígines canadenses incluíam assentamentos permanentes ou urbanos, agricultura, cidadania, arquitetura monumental e complexas hierarquias sociais. Algumas dessas civilizações já tinham desaparecido antes da colonização europeia (início do século XVI) e foram descobertas através de pesquisas arqueológicas.
Estima-se que no final do século XV e início do século XVI viveriam entre 200 000 e dois milhões de indígenas no que é atualmente o Canadá — o valor atualmente aceito pela Comissão Real sobre a Saúde Aborígine do Canadá é de 500 000. Surtos repetidos de doenças infecciosas europeias como a gripe, o sarampo e a varíola (para as quais os indígenas não tinham imunidade natural), combinados com outros efeitos do contato europeu, resultou em uma diminuição de 40% a 80% da população indígena após a chegada dos europeus. Os povos aborígines do Canadá incluem as Primeiras Nações, Inuit e Métis. Métis é uma cultura mestiça originada em meados do século XVII, quando as Primeiras Nações e os Inuit se misturaram com os colonos europeus. Os esquimós tinham uma interação mais limitada com os colonizadores europeus durante períodos iniciais.
O francês Jacques Cartier, um dos primeiros exploradores das terras canadenses.
Ponte Jacques Cartier em Quebec
Por volta do ano 1000 d.C., vikings estabeleceram o colonato de Leifsbudir em uma área que chamaram de Vinland (atual região do Golfo de São Lourenço, Nova Brunswick e Nova Escócia). A ocupação de Leifsbudir foi superficial e durou pouco tempo, porém representou o primeiro contato europeu com a América e o primeiro assentamento escandinavo na América do Norte (com exceção da Groelândia), cerca de 500 anos antes das viagens de Cristóvão Colombo.
A primeira visita documentada a terras canadenses por navegadores europeus ocorreu em 1497 ou 1498, quando o veneziano ao serviço de Inglaterra Giovanni Caboto (conhecido em inglês como John Cabot) aportou à Terra Nova. Alguns historiadores defendem que há indícios que a Terra Nova já teria sido visitada pelo navegador português João Vaz Corte Real em 1472 ou antes e por Diogo de Teive e o seu piloto Pero Vasques Saavedra em 1452.
Em 1534 Jacques Cartier explorou o Canadá em nome da França. O explorador francês Samuel de Champlain chegou em 1603 e estabeleceu os primeiros assentamentos europeus permanentes em Port Royal em 1605 e Quebec em 1608.
A morte do General Wolf nas Planícies de Abraão no Quebec, em 1759, parte da Guerra dos Sete Anos.
A colonização europeia começou efetivamente no século XVI, quando os britânicos, e principalmente, os franceses estabeleceram-se pelo Canadá. Os britânicos não tiveram uma forte presença no antigo Canadá, instalando-se originalmente na Terra de Rupert — uma gigantesca área que posteriormente daria origem aos Territórios do Noroeste, Manitoba, Saskatchewan e Alberta — sendo que a região dos Grandes Lagos e do Rio São Lourenço, bem como a região que atualmente compõe as atuais províncias de Nova Escócia e Nova Brunswick, estavam todas nas mãos dos franceses. A Nova França (Nouvelle-France) e a Acádia continuavam a se expandir.Essa expansão não foi bem aceita pelos iroqueses e, principalmente, pelos britânicos e os colonos das Treze Colônias, desencadeando uma série de batalhas que culminou, em 1763, no Tratado de Paris — no qual os franceses cederam seus territórios da Nova França e da Acádia aos britânicos.

Quebec passou por profundas mudanças sociais e econômicas através da "Revolução Tranquila", dando origem a um movimento nacionalista e mais radical na província chamado Front de libération du Québec (FLQ), cujas ações culminaram na Crise de Outubro de 1970. Uma década depois, um referendo malsucedido sobre a soberania-associação da província de Quebéc realizou-se em 1980, depois que as tentativas de emenda constitucional fracassaram em 1990. Em um segundo referendo realizado em 1995, a soberania da província foi rejeitada por uma margem de apenas 50,6% para 49,4%. Em 1997, a Suprema Corte decidiu que a secessão unilateral de uma província seria inconstitucional e o Clarity Act foi aprovada pelo parlamento, que define os termos de uma saída negociada da Confederação.

Vive le Québec libre!" (Viva Quebec livre) foi uma frase polêmica em um discurso proferido pelo Presidente Charles de Gaulle da França em 24 de julho de 1967, durante uma visita oficial ao Canadá , sob o pretexto de assistir a Expo 67 , em Montreal , Quebec .

 Ao dar um aceno para uma grande multidão a partir de uma varanda no Montreal City Hall , ele pronunciou "Vive Montréal; Vive le Québec!" E, em seguida, acrescentou, quase abafado pela multidão, "Vive le Québec libre!" ("Viva livre Quebec!"). Com ênfase particular na "libre" da palavra. A frase, um slogan usado pelos quebequenses que querem a soberania o seu uso por de Gaulle, foi visto como um forte apoio ao movimento. O discurso provocou um incidente diplomático com o governo do Canadá, e foi condenado pelo primeiro-ministro Lester B. Pearson , dizendo que "os canadenses não precisam ser liberados." Mesmo na França, o discurso de De Gaulle foi condenado nos meios de comunicação franceses. Mais de quatro décadas depois, o fato ainda é visto como um momento critico das relações politicas  entre franceses e canadenses.
http://en.wikipedia.org/wiki/Vive_le_Qu%C3%A9bec_libre

Além das questões sobre a soberania de Quebec, uma série de crises sacudiu a sociedade canadense no final dos anos 1980 e início dos anos 1990. Estes incluem a explosão do Voo Air India 182 em 1985, o maior assassinato em massa da história do Canadá; o Massacre da Escola Politécnica de Montreal em 1989, quando um atirador alvejou várias estudantes universitárias.
E a crise Oka, em 1990, o primeiro de uma série de violentos confrontos entre o governo e grupos aborígines do país.A Crise Oka foi uma disputa de terras entre a nação Mohawk e a cidade de Oka, Quebec, Canadá, que começou em 11 de julho de 1990. Durou até 26 de setembro de 1990. Pelo menos uma pessoa morreu em conseqüência. A disputa foi o primeiro de uma série de conflitos bem divulgada entre as Primeiras Nações e o governo canadense no final do século 20 que foram associados com a violência.

O Canadá também participou da Guerra do Golfo, em 1990, como parte de uma força de coalizão liderada pelos Estados Unidos, e foi ativo em várias missões de paz no final dos anos 1990. O país enviou tropas para o Afeganistão em 2001, mas recusou-se a enviar tropas para o Iraque quando os Estados Unidos invadiram esta nação em 2003.
As Cataratas Canadenses nas Cataratas do Niágara, Ontário, são uma das cachoeiras mais volumosas do mundo, conhecidas pela sua beleza e por serem uma fonte valiosa de energia hidrelétrica.
O Canadá ocupa a maior parte do norte da América do Norte, partilhando as fronteiras terrestres com os Estados Unidos Continentais ao sul e com o estado estadunidense do Alasca a noroeste, estendendo-se desde o Oceano Atlântico a leste até o Oceano Pacífico a oeste, e com o Oceano Ártico a norte. Em área total (incluindo as suas águas), o Canadá é o segundo maior país do mundo, sendo superado apenas pela Rússia. Em área terrestre (área total menos a área de lagos e rios), o Canadá é o quarto maior país do planeta.
Desde 1925, o Canadá reivindica a porção do Ártico entre os meridianos 60° W e 141 ° W, mas essa reivindicação não é universalmente reconhecida. O assentamento humano mais setentrional do Canadá (e do mundo) é a Canadian Forces Station Alert, na ponta norte da Ilha Ellesmere, latitude 82,5°N, a 817 km do Pólo Norte. A maior parte do Ártico canadense é coberto por gelo e permafrost. O Canadá também tem o litoral mais extenso do mundo com 202 080 quilômetros de extensão.
A densidade populacional do país, de 3,3 habitantes por quilômetro quadrado, está entre as mais baixas do mundo. A parte mais densamente povoada do país é o Corredor Cidade de Quebec - Windsor, (situado no sul de Quebec e Sul de Ontário) ao longo dos Grandes Lagos e do rio São Lourenço, no sudeste.
O Canadá tem um litoral muito extenso no seu norte, leste e oeste e, desde o último período glacial consiste em oito regiões florestais distintas, incluindo a vasta floresta boreal sobre o Escudo Canadense. A vastidão e a variedade da geografia, ecologia, vegetação e relevo do Canadá deram origem a uma grande variedade de climas em todo o país. Por causa de seu grande tamanho, o Canadá tem mais lagos do que qualquer outro país do mundo, contendo grande parte da água doce do planeta. Há também água nas geleiras das Montanhas Rochosas canadenses e nas Montanhas Costeiras.
Lago Moraine, no Parque Nacional Banff, Alberta.
As temperaturas médias do inverno e do verão em todo o Canadá variam de acordo com a região. O inverno pode ser rigoroso em muitas regiões do país, particularmente no interior e nas pradarias canadenses, que têm um clima continental, onde as temperaturas médias diárias estão perto de -15 °C, mas podem cair abaixo de -40 °C com uma sensação térmica extremamente fria. No interior, a neve pode cobrir o solo durante quase seis meses do ano (mais no norte). O litoral da Colúmbia Britânica desfruta de um clima temperado, com um inverno ameno e chuvoso. Nas costas leste e oeste, as temperaturas médias são mais elevadas, geralmente um pouco acima de 20 °C, enquanto entre as costas, a média de temperatura máxima no verão varia de 25 a 30 °C, com calor extremo ocasional em algumas localidades do interior superior a 40 °C.
O Canadá também é geologicamente ativo, com muitos terremotos e vulcões potencialmente ativos, nomeadamente o Monte Meager, Monte Garibaldi, Monte Cayley e o Complexo Vulcânico Monte Edziza. A erupção vulcânica do Cone Tseax em 1775 causou um desastre catastrófico, matando 2.000 pessoas do povo Nisga'a, destruindo sua aldeia no vale do rio Nass no norte da Colúmbia Britânica; a erupção produziu um fluxo de lava de 22,5 km, e segundo a lenda do povo Nisga'a, ele bloqueou o fluxo do rio Nass.
O censo canadense de 2011 registrou uma população total de 33 476 688 habitantes, um aumento de 5,9% em relação a 2006 e o maior dentre os países do G8. O crescimento populacional vem da imigração e, em menor medida, do crescimento natural. Cerca de quatro quintos da população do Canadá vive a 150 quilômetros da fronteira com os Estados Unidos. Uma proporção similar vive em áreas urbanas concentradas no Corredor Quebec - Windsor (nomeadamente a Grande Golden Horseshoe, que inclui as áreas de Toronto, Montreal e Ottawa), a Lower Mainland (que consiste na região do entorno de Vancouver) e o Corredor Calgary-Edmonton em Alberta.
O Canadá tem a maior taxa de imigração per capita do mundo, impulsionada pela política econômica e pelo reagrupamento familiar, e está apontando para entre 240 000 e 265 000 novos residentes permanentes em 2010.[89] O Canadá também aceita um grande número de refugiados. Novos imigrantes instalam-se principalmente em grandes centros urbanos como Toronto e Vancouver.
Em comum com muitos outros países desenvolvidos, o Canadá está passando por uma mudança demográfica para uma população mais idosa, com mais aposentados e menos pessoas em idade ativa. Em 2006, a idade média da população era de 39,5 anos. Os resultados censitários também indicam que, apesar do aumento da imigração desde 2001 (que deu ao Canadá uma maior taxa de crescimento da população do que no anterior período intercensitário), o envelhecimento da população canadense não diminuiu durante o período.
O apoio ao pluralismo religioso é uma parte importante da cultura política do Canadá. Segundo o censo de 2001, 77,1% dos canadenses identificam-se como cristãos; destes, os católicos formam o maior grupo (43,6% dos canadenses). A maior denominação protestante é a Igreja Unida do Canadá (9,5% dos canadenses), seguida pelos anglicanos (6,8%), os batistas (2,4%), luteranos (2%) e outros cristãos (4,4%).[88] 16,5% dos canadenses declaram-se sem religião e os restantes 6,3% são filiados com religiões não cristãs, sendo a maior delas o islamismo (2,0%), seguido pelo judaísmo (1,1%).
Cidades mais populosas do Canadá
(censo de 2011)
Toronto,Montreal,Calgary,Otawa

Segundo o censo de 2006, a maior origem étnica relatada é a inglesa (21%), seguida pela francesa (15,8%), escocesa (15,2%), irlandesa (13,9%), alemã (10,2%), italiana (5%), chinesa (3,9%), ucraniana (3,6%) e das Primeiras Nações (3,5%). 
Em 2006, cerca de 17,4% da população canadense era bilíngue, sendo capazes de conversar em ambas as línguas oficiais do país.
  Inglês – 57,8%
  Inglês e francês (bilíngue) – 17,4%
  Francês – 22,1%
As duas línguas oficiais do Canadá são o inglês e o francês. O bilinguismo oficial é definido na Carta Canadense dos Direitos e das Liberdades, o Official Languages Act e o Official Language Regulations; é aplicado pelo Comissário de Línguas Oficiais. O inglês e francês têm o mesmo estatuto em tribunais federais, no Parlamento, e em todas as instituições federais. Os cidadãos têm o direito, sempre que houver demanda suficiente, de receber serviços do governo federal em inglês ou francês, e as minorias que utilizam um dos idiomas oficiais têm garantidas suas próprias escolas em todas as províncias e territórios do país.
Sede do parlamento canadense em Ottawa.
O Canadá tem fortes tradições democráticas mantidas por um governo parlamentar dentro do contexto de monarquia constitucional, sendo a monarquia no Canadá a fundação dos poderes executivo, legislativo e judiciário e sua autoridade originária da população canadense. O soberano é a Rainha Elizabeth II, que também atua como chefe de Estado de outros 15 países da Commonwealth e reside principalmente no Reino Unido. Como tal, o representante da Rainha, o Governador-geral do Canadá (atualmente David Johnston), cumpre a maior parte dos deveres reais no Canadá.
Contudo, a participação direta das figuras reais e vice-reais, em qualquer destas áreas da governação é limitada; na prática, o seu uso dos poderes executivos é dirigido pelo Gabinete, uma comissão dos ministros da Coroa responsável perante a Câmara dos Comuns eleita, e liderada pelo primeiro-ministro do Canadá (atualmente, Stephen Harper), o chefe de governo.

 
A Constituição do Canadá é a lei suprema do país e consiste em um texto escrito e convenções não escritas. A Lei Constitucional de 1867 (conhecida como British North America Act, antes de 1982) afirmava a governação com base no precedente parlamentar "semelhante, em princípio, ao do Reino Unido" e dividia os poderes entre os governos federal e provinciais; o Estatuto de Westminster de 1931 concedeu plena autonomia e a Lei Constitucional de 1982 adicionou a Carta Canadense dos Direitos e das Liberdades, que garante os direitos e liberdades básicos que normalmente não podem ser cancelados por qualquer nível de governo — apesar de uma cláusula permitir que o Parlamento federal e as legislaturas provinciais cancelem certas secções da Carta por um período de cinco anos — e acrescentou uma emenda constitucional.
A Suprema Corte do Canadá, em Ottawa.
Embora tenham existido conflitos, as primeiras interações entre os europeus canadenses com as Primeiras Nações e os povos Inuítes foram relativamente pacíficas. Combinado com o desenvolvimento econômico tardio do Canadá em muitas regiões, essa história pacífica permitiu aos povos indígenas canadenses terem uma influência relativamente forte na cultura nacional, preservando a sua identidade própria. A Coroa do Canadá e os povos aborígines do país começaram suas interações durante o período de colonização europeia. Os Tratados numerados, o Indian Act, a Lei Constitucional de 1982 e outras leis foram estabelecidas. Uma série de onze tratados foram assinados entre os aborígines canadenses e os monarcas reinantes do Canadá entre 1871-1921. Esses tratados são acordos com o Governo do Canadá, administrados pela Lei Aborígine Canadense e supervisionados pelo Ministério de Assuntos Indígenas e Desenvolvimento da Região Norte. O papel dos tratados foi reafirmado pela Seção Trinta e Cinco da Lei Constitucional de 1982, que "reconhece e afirma os atuais direitos aborígines e contratuais". Estes direitos podem incluir provisões sobre o fornecimento de serviços como cuidados de saúde e isenção de impostos. O quadro jurídico e político dentro do qual o Canadá e as Primeiras Nações operam foi adicionalmente formalizado em 2005, com o Acordo Político Primeiras Nações - Coroa Federal, que estabeleceu a cooperação como "a pedra angular de uma parceria entre o Canadá e as Primeiras Nações".

O sistema judiciário do Canadá desempenha um papel importante na interpretação das leis e tem o poder de derrubar leis que violam a Constituição. A Suprema Corte do Canadá é a mais alta corte e o árbitro final, sendo atualmente (2010) presidida por Beverley McLachlin, P.C. (a primeira mulher Chefe de Justiça) desde 2000. Os seus nove membros são nomeados pelo governador-geral sob o conselho do Primeiro-Ministro e do Ministro da Justiça. Todos os juízes dos níveis superior e de apelação são nomeados após consulta com as entidades jurídicas não governamentais. O gabinete federal também nomeia os juízes para tribunais superiores aos níveis provincial e territorial. Cargos do sistema judiciário nos níveis mais baixos provinciais e territoriais são preenchidos por seus respectivos governos.
O direito comum prevalece em toda parte, exceto em Quebec, onde predomina o direito civil. O direito penal é uma responsabilidade exclusivamente federal e é uniforme em todo o Canadá. A aplicação da lei, incluindo tribunais criminais, é uma responsabilidade provincial, mas nas áreas rurais de todos as províncias, exceto Ontário e Quebec, o policiamento é realizado pela Real Polícia Montada do Canadá federal.
O Canadá e os Estados Unidos compartilham a maior fronteira indefesa do mundo, cooperam em campanhas e exercícios militares e são o maior parceiro comercial um do outro. O Canadá, no entanto, tem uma política externa independente, demarcando-se por vezes das posições do seu vizinho, como é o caso da manutenção de relações plenas com Cuba e da recusa em participar oficialmente na Guerra do Iraque. O país também mantém laços históricos com o Reino Unido e com a França e outras ex-colônias britânicas e francesas por meio da associação do Canadá na Comunidade das Nações e na Francofonia. O Canadá é conhecido por ter uma relação forte e positiva com os Países Baixos e o governo holandês tradicionalmente oferece tulipas (símbolo do país europeu) ao Canadá todos os anos, em memória da contribuição canadense para a libertação dos holandeses da Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial.
O país emprega atualmente uma força de voluntários profissionais militares de mais de 67 000 soldados regulares e aproximadamente 26 000 em reserva. As Forças Armadas do Canadá (CF) compõem o exército, a marinha e a força aérea. O Canadá é uma nação industrial com um setor de ciência e tecnologia altamente desenvolvido. Desde a Primeira Guerra Mundial, o Canadá produz os seus próprios veículos de combate de infantaria, mísseis anticarros teleguiados e armas de pequeno porte para as suas forças armadas, em especial para o exército.
A forte ligação com o Império Britânico e com a Comunidade das Nações levou a uma participação importante nos esforços militares britânicos na Segunda Guerra Boer, na Primeira Guerra Mundial e na Segunda Guerra Mundial. Desde então, o Canadá tem sido um defensor do multilateralismo, fazendo esforços para resolver problemas globais, em colaboração com outras nações. O Canadá foi um dos membros fundadores das Nações Unidas em 1945 e da OTAN em 1949. Durante a Guerra Fria, o Canadá foi um dos principais contribuintes para as forças da ONU na Guerra da Coreia e fundou o Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte (NORAD), em cooperação com os Estados Unidos, para se defender contra potenciais ataques aéreos por parte da União Soviética.
O Canadá é uma federação composta por dez províncias e três territórios. Por sua vez, estes são agrupados em regiões: Oeste do Canadá, Centro do Canadá, Províncias atlânticas do Canadá e o Norte do Canadá (esta última composta por três territórios: Yukon, Territórios do Noroeste e Nunavut). O Leste do Canadá refere-se ao Centro do Canadá e ao Canadá Atlântico juntos. As províncias têm mais autonomia do que os territórios e são responsáveis pela maioria dos programas sociais do Canadá (como saúde, educação e assistência social) e, juntas, arrecadam mais receita que o governo federal, uma estrutura quase única entre as federações do mundo. O governo federal faz pagamentos de equalização para garantir que padrões razoavelmente uniformes dos serviços e impostos são mantidos entre as províncias mais ricas e mais pobres.
O Canadá é uma das nações mais ricas do mundo, com um elevado rendimento per capita, e é membro da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e do G8. É uma das dez maiores nações comerciais do mundo. O Canadá é uma economia mista, sendo classificado acima dos Estados Unidos no índice da Heritage Foundation de liberdade econômica e mais acima da maioria das nações da Europa ocidental. Os maiores importadores estrangeiros de produtos canadenses são os Estados Unidos, o Reino Unido e o Japão. Em 2008, as mercadorias importadas pelo Canadá valiam mais de 442,9 bilhões de dólares, dos quais 280,8 bilhões dólares dos Estados Unidos, 11,7 bilhões de dólares do Japão e US$ 11,3 bilhões do Reino Unido. O déficit comercial do país em 2009 totalizou C$ 4,8 bilhões, comparado com um superávit de C$ 46,9 bilhões em 2008.
No século passado, o crescimento da manufatura, mineração e do setor de serviços transformou o país de uma economia basicamente rural para uma mais industrial e urbana. Como outros países desenvolvidos, a economia canadense é dominada por serviços, que empregam cerca de três quartos dos canadenses. O Canadá é incomum entre os países desenvolvidos devido à importância do setor primário em sua economia, sendo as indústrias madeireiras e de petróleo duas das mais importantes do país.
O Canadá é um dos poucos países desenvolvidos que são exportadores líquidos de energia. A costa atlântica do Canadá e a província de Alberta têm vastas jazidas de gás natural e petróleo em alto-mar. A imensa reserva das areias betuminosas do Athabasca dá ao Canadá a segunda maior reserva de petróleo do mundo, a seguir à da Arábia Saudita.
O Canadá é um dos maiores fornecedores mundiais de produtos agrícolas; as pradarias canadenses são um dos mais importantes produtores de trigo, canola e outros cereais.
Também é grande produtor de leite. A pecuária leiteira é muito desenvolvida no Canada. 
O gado Holandês (Holstein) teve um melhoramento genético muito grande e se transformou numa verdadeira máquina de produção de leite.
Uma vaca da raça Holandesa do leste de Ontário – Canadá, estabeleceu um novo recorde canadense para produção de leite vitalícia. A vaca chamada Gillette E Smurf terminou recentemente sua nona lactação e agora apresenta um desempenho em sua produção vitalícia de 206.934 kg leite produzido!
De criação e propriedade da Ferme Gillette Inc, esta filha de Rocky-Vu-Emperor ET um touro da ALTA GENETICS INC., é a primeira vaca canadense da raça Holandesa a produzir mais de 200.000 kg de leite na totalização de suas produções. 
http://www.altagenetics.com.br/novo/noticias/Ler.aspx?nID=400
O Canadá é o maior produtor mundial de zinco e urânio e é uma fonte global de muitos outros recursos naturais, como ouro, níquel, alumínio e chumbo. Muitas cidades no norte do Canadá, onde a agricultura é difícil, são sustentáveis por causa das minas próximas ou pelas suas fontes de madeira. O Canadá também tem um setor industrial bastante grande centrado no sul de Ontário e de Quebec, com os setores automóvel e aeronáutico representando indústrias particularmente importantes.
Universidade de Ottawa, uma das mais antigas do Canadá.
As províncias e territórios canadenses são responsáveis por seus respectivos sistemas educacionais. Cada sistema é similar, embora reflita a cultura, história e geografia regionais. Os limites da escolaridade obrigatória, entrada até os 5-7 anos e pelo menos até aos 16-18 anos, contribuem para uma taxa de alfabetização de 99%.
O ensino superior também é administrado pelos governos provinciais e territoriais, que fornecem a maior parte do financiamento, o governo federal administra bolsas de pesquisa adicionais, empréstimos estudantis e bolsas. Em 2002, 43% dos canadenses com idade entre 25-64 possuía educação superior, e para aqueles com idade entre 25 a 34, a taxa de formação superior era de 51%.
Ciência e tecnologia
O Canadá é uma nação industrial com um setor de ciência e tecnologia altamente desenvolvido. Cerca de 1,88% do PIB do Canadá é investido em pesquisa e desenvolvimento (P&D). O país tem dezoito laureados com prêmios Nobel de física, química e medicina[180] e é o 12º país do mundo em termos de acesso à internet, com 28 milhões de usuários, 84,3% da população total.
O Canadarm em ação no Ônibus Espacial Discovery durante a missão STS-116.
A Defence Research and Development Canada (DRDC) é uma agência do Departamento de Defesa Nacional, cujo objetivo é responder às necessidades científicas e tecnológicas das Forças Canadenses. Ao longo dos anos, a DRDC tem sido responsável por inúmeras inovações e invenções de aplicação prática tanto no mundo civil quanto no mundo militar. Estes incluem o CADPAT, traje anti-G, CRV7, laser de dióxido de carbono e o gravador de dados de voo. A DRDC também contribui no desenvolvimento do mais avançado radar de varredura eletrônica ativa do mundo, como parte de um esforço internacional, envolvendo o Canadá, a Alemanha e os Países Baixos.
A Agência Espacial Canadense conduz pesquisas espaciais, planetárias e de aviação, assim como desenvolve foguetes e satélites. Em 1984, Marc Garneau tornou-se o primeiro astronauta do Canadá, servindo como especialista de carga da STS-41-G. O Canadá foi classificado em terceiro lugar entre os 20 países de topo nas ciências espaciais. O Canadá é um dos países participantes na Estação Espacial Internacional e um dos pioneiros do mundo em robótica espacial com o Canadarm, Canadarm2 e Dextre. Desde a década de 1960, as Indústrias Aeroespaciais do Canadá projetaram e construíram 10 satélites, incluindo o RADARSAT-1, o RADARSAT-2 e o MOST. O Canadá também produziu um dos mais bem sucedidos foguetes de sondagem, o Black Brant; mais de 1000 foram lançados desde o início da sua produção em 1961. Universidades de todo o Canadá estão trabalhando no primeiro aterrissador do país: o Northern Light, projetado para procurar vida em Marte e pesquisar o ambiente de radiação eletromagnética e as propriedades da atmosfera do planeta vermelho. Se o Northern Light for bem-sucedido, o Canadá será o terceiro país a pousar em outro planeta.

Um trem da Canadian Pacific Railway.
O Canadá é um país desenvolvido, cuja economia inclui a extração e exportação de matérias-primas de seu vasto território. Devido a isso, o país tem um sistema de transporte que inclui mais de 1 400 000 km de estradas, 10 aeroportos internacionais principais, 300 aeroportos menores, 72 093 km de vias férreas operacionais e mais de 300 portos comerciais e portos que dão acesso aos oceanos Pacífico, Atlântico e Ártico, bem como aos Grandes Lagos e ao Canal de São Lourenço. Em 2005, o setor de transporte respondia por 4,2% do PIB do Canadá, em comparação com os 3,7% das indústrias de mineração, petróleo e extração de gás natural.
Em 2007, o Canadá tinha um total de 72 212 km de ferrovias de cargas e passageiros. As receitas totais de serviços de transporte ferroviário em 2006 foram de US$ 10,4 bilhões, dos quais apenas 2,8% foram provenientes de serviços de passageiros. A Canadian National Railway e a Canadian Pacific Railway são as duas principais companhias de frete ferroviário do país, cada uma tendo operações em toda a América do Norte. Em 2007, 357 milhões de toneladas/quilômetro de mercadorias e 4,33 milhões de passageiros foram transportados por via férrea. 34 281 pessoas foram empregadas pela indústria ferroviária no mesmo ano.


Há um total de 1 042 300 km de estradas no país, dos quais 413 600 km são pavimentadas, incluindo 17 000 km de vias expressas. Em 2006, 626 700 km não estavam pavimentadas. O transporte rodoviário gerou 35% do PIB total do transporte, contra 25% para o transporte ferroviário, aquático e aéreo combinados, sendo as estradas o principal meio de transporte de passageiros e mercadorias do país. A Rodovia Trans-Canadá atravessa todo o país e é uma das mais longas rodovias do mundo, com 8 030 km de extensão. O segmento da Via Expressa Macdonald-Cartier que passa por Toronto é o trecho rodoviário mais movimentado da América do Norte, e um dos mais amplos e movimentados do mundo.


Trecho da Via Expressa Macdonald-Cartier, a mais movimentada da América do Norte.
O transporte aéreo compunha 9% do PIB do setor de transportes canadense em 2005. A maior companhia aérea do país é a Air Canada, que teve 34 milhões de clientes em 2006 e, em abril de 2010, operava com 363 aviões. A indústria aérea canadense viu uma alteração significativa após a assinatura do acordo de céus abertos entre EUA-Canadá, em 1995, quando o mercado tornou-se menos regulado e mais competitivo. Dos mais de 1 700 aeródromos, aeroportos certificados, heliportos e bases de hidroaviões registrados, 26 são especialmente designados pelo Sistema Nacional de Aeroportos do Canadá: incluem todos os aeroportos que lidam com 200 mil ou mais passageiros a cada ano, bem como o principal aeroporto que serve cada capital federal, provincial e territorial.
Os três principais aeroportos do país por número de passageiros são o Aeroporto Internacional Toronto Pearson (sendo também o maior do país), o Aeroporto Internacional de Vancouver e o Aeroporto Internacional Pierre Elliott Trudeau.

Em 2005, 139,2 milhões de toneladas de carga foram carregadas e descarregadas nos portos canadenses. O Porto de Vancouver é o porto mais movimentado do Canadá, tendo passado por ali 68 milhões de toneladas ou 15% do total do transporte doméstico e internacional do Canadá em 2003.
Sede da Canadian Broadcasting Corporation em Toronto.
Cerca de 100 jornais diários em inglês e dez jornais diários em francês são impressos no Canadá. O jornal que possui a maior circulação do país é o Toronto Star, publicado em língua inglesa.[205] O jornal francófono de maior circulação no Canadá (e também do mundo, fora da França) é o Le Journal de Montréal. Cerca de 1 500 periódicos são impressos e publicados no Canadá. Os periódicos de maior circulação do país são Maclean's e Chatelaine.
A mídia e a indústria do entretenimento estadunidenses são populares, se não dominantes, no Canadá anglófono; inversamente, muitos produtos culturais canadenses e artistas são bem sucedidos nos Estados Unidos e no mundo. Muitos produtos culturais são comercializados em direção a um unificado mercado "norte-americano" ou global. A criação e a preservação da cultura distintamente canadense são apoiadas por programas do governo federal do país, através de leis e instituições como a Canadian Broadcasting Corporation (CBC), o National Film Board of Canada e da Canadian Radio-television and Telecommunications Commission.
A cultura canadense tem sido historicamente influenciada por culturas e tradições de britânicos, franceses e indígenas. 
Existem diferentes culturas, línguas, arte e música aborígines por todo o Canadá. Muitas palavras, invenções e jogos norte-americanos indígenas tornaram-se parte da linguagem cotidiana do Canadá. A canoa, raquetes de neve, tobogã, lacrosse, cabo de guerra, xarope de ácer e o tabaco são exemplos de produtos, invenções e jogos.

Algumas das palavras da língua inglesa de origem indígena incluem barbecue, caribou, chipmunk, woodchuck, hammock, skunk, mahogany, hurricane e moose.
Várias áreas, cidades e rios das Américas têm nomes de origem indígena. O nome da província de Saskatchewan deriva do nome em língua cree do rio Saskatchewan, "Kisiskatchewani Sipi". O nome da capital do Canadá, Ottawa, vem do termo "adawe", que em língua algonquina significa "negociar". O Dia Nacional dos Aborígines reconhece as culturas e as contribuições dos povos aborígines do Canadá.
A cultura do país foi fortemente influenciada pela imigração vinda de todo o mundo. Muitos canadenses valorizam o multiculturalismo e veem o Canadá como sendo inerentemente multicultural. No entanto, a cultura do país tem sido fortemente influenciada pela cultura estadunidense por causa da proximidade e da alta taxa de migração entre os dois países. A grande maioria dos imigrantes de língua inglesa que veio para o Canadá entre 1755 e 1815 eram estadunidenses das Treze Colônias; durante e imediatamente após a Guerra da Independência dos Estados Unidos, 46 000 estadunidenses leais à coroa britânica vieram para o Canadá. Entre 1785 e 1812, mais estadunidenses emigraram para o Canadá, em resposta às promessas de terra.

"O pinheiro", de Tom Thomson, 1916; óleo sobre tela, na coleção da Galeria Nacional do Canadá.
As artes visuais canadenses têm sido dominadas por Tom Thomson - o mais famoso pintor do Canadá - e pelo Grupo dos Sete. A curta carreira de Thomson pintando paisagens canadenses durou apenas uma década até sua morte em 1917 aos 39 anos. O Grupo dos Sete era composto por pintores com um foco nacionalista e idealista, que exibiram suas obras distintas pela primeira vez em maio de 1920. Embora referido como tendo sete membros, cinco artistas - Lawren Harris, A. Y. Jackson, Arthur Lismer, J. E. H. MacDonald e Frederick Varley - foram responsáveis por articular as ideias do grupo. Eles juntaram-se brevemente com Frank Johnston e com o artista comercial Franklin Carmichael. A. J. Casson passou a fazer parte do Grupo em 1926. Outra associada do grupo foi a proeminente artista canadense Emily Carr, conhecida por suas paisagens e retratos dos povos indígenas da costa noroeste do Pacífico.
O Canadá tem uma infraestrutura e uma indústria de música desenvolvida, com a radiodifusão regulada pela Canadian Radio-television and Telecommunications Commission.
A indústria musical canadense tem produzido compositores, músicos e conjuntos renomados internacionalmente, tais como Guy Lombardo, Murray Adaskin, Rush, Joni Mitchell e Neil Young. Vencedores canadenses de vários Grammy Awards incluem Michael Bublé, Celine Dion, K. D. Lang, Sarah McLachlan, Alanis Morissette e Shania Twain. A Academia Canadense de Artes e Ciências administra os prêmios da indústria fonográfica do Canadá, como os Juno Awards, que tiveram início em 1970 e são considerados a principal premiação musical do país.
O hino nacional do Canadá, "O Canada", foi adotado em 1980, originalmente encomendado pelo vice-governador de Quebec, o Sr. Théodore Robitaille, para a cerimônia do Feriado Nacional de Quebec de 1880. Calixa Lavallée escreveu a música, que foi uma adaptação de um poema patriótico composto pelo poeta e juiz Sir Adolphe-Basile Routhier. O texto foi escrito originalmente apenas em francês, antes de ter sido traduzido para o inglês em 1906.

A Seleção Canadense Masculina de Hóquei no Gelo comemora a conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2010 em Vancouver.
Os símbolos nacionais do Canadá são influenciados por fatores naturais, históricos e aborígines. O uso da folha de bordo como um símbolo do Canadá data do início do século XVIII. A folha de bordo é representada em bandeiras atuais e anteriores do Canadá, na moeda de um centavo, e no Brasão de Armas. Outros símbolos nacionais proeminentes incluem o castor, ganso-do-canadá, mobelha-grande, a Coroa, a Real Polícia Montada do Canadá, e, mais recentemente, o totem e o Inukshuk.
Os esportes oficiais nacionais do Canadá são o hóquei no gelo no inverno e lacrosse no verão. O hóquei é um passatempo nacional e o esporte mais popular no país. Também é o esporte mais jogado pelos canadenses, com 1,65 milhões de participantes em 2004. As seis maiores regiões metropolitanas do Canadá, Toronto, Montreal, Vancouver, Ottawa, Calgary e Edmonton têm franquias da National Hockey League (NHL), e há mais jogadores do Canadá na NHL que de todos os outros países combinados. Outros esportes populares incluem o curling e o futebol canadense, sendo este último jogado profissionalmente na Canadian Football League (CFL). Golfe, baseball, esqui, futebol, voleibol e basquetebol são amplamente jogados em níveis juvenis e amadores, mas ligas profissionais e franquias não estão generalizadas.
O Canadá tem sediado vários grandes eventos esportivos internacionais, incluindo os Jogos Olímpicos de Verão de 1976 em Montreal, os Jogos Olímpicos de Inverno de 1988 em Calgary e o Campeonato Mundial de Futebol Sub-20 de 2007. O Canadá também foi o país anfitrião dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2010 em Vancouver e Whistler, na Colúmbia Britânica.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Canad%C3%A1


Ottawa é a capital do Canadá e sua quarta maior cidade. Está localizada na porção leste da província de Ontário, na fronteira com a província de Quebec, às margens do Rio Ottawa, uma importante via fluvial que forma a fronteira entre Ontário e Quebec.
Segundo senso de 2006, a cidade possuía 812.000 habitantes, com 1.451.415 habitantes na sua região metropolitana, chamada oficialmente de Região da Capital Nacional, o que inclui a cidade vizinha de Gatineau, na província de Quebec. Ottawa é a segunda maior cidade de Ontário, localizada a aproximadamente 400 quilômetros leste de Toronto, e a 190 quilômetros oeste de Montreal.
Ottawa está localizada na margem sul do Rio Ottawa, perto dos estuários do Rio Rideau e do Canal Rideau. A parte mais antiga da cidade, incluindo o centro histórico e remancescentes da Bytown, é chamada de Lower Town, localizada entre os rios e o canal. Já o centro financeiro e comercial da cidade, o Centrehub, está localizado a oeste, ao longo do Canal Rideau. 
Às margens do Rio Ottawa, no Parliament Hill, estão localizadas a maioria das estrutras histórias governamentais, incluindo o parlamento canadense.
Ottawa registra em média um pequeno abalo sísmico a cada três anos, em média. Em 1 de janeiro de 2000, a cidade registrou um terremoto que atingiu 5,2 na escala Richter. Em 24 de fevereiro de 2006, Ottawa registrou um terremoto, que atingiu 4,5 na escala Richter.
Ottawa possui um clima temperado. Temperaturas variam consideravelmente o ano inteiro, desde −46,1°C, a menor temperatura já registrada na cidade, no inverno de 1943, até 39,5 °C, no verão de 2005. O −46,1 °C registrado em 1943 é a segunda menor temperatura mínima já registrada em uma capital de país do mundo, atrás apenas de Ulaanbaatar, Mongólia. Ottawa é a sétima capital de país mais fria do mundo, em temperatura média anual.
Ottawa possui mais de 3 230 hectares de parques e playgrounds, fazendo de Ottawa a segunda cidade com mais área verde per capita, depois de Edmonton.
Ottawa possui um time de hóquei no gelo atuando na NHL, o Ottawa Senators. A cidade possuía um time presente na CFL, o Ottawa Renegades, que foi criado em 2002, mas suspendeu operações em 2006. Os Senators jogam no Scotiabank Place, e os Renegades jogavam no Frank Clair Stadium.
O setor público é facilmente o maior empregador da cidade, empregando cerca de 72 mil pessoas, que trabalham para o governo nacional, e outros 12 mil para o setor público municipal. No total, postos de trabalho diretamente relacionados com o setor público respondem por aproximadamente 20% do númeto total de postos de trabalho na cidade.
Ottawa é um centro tecnológico, onde mais de 800 empresas e suas respectivas fábricas empregam mais de 48 mil pessoas. Devido a isto, Ottawa é às vezes referida como a "capital nacional de alta tecnologia". Estas empresas são na maioria especializadas em pesquisa avançada em um número de setores que incluem a criação e desenvolvimento de softwares, tecnologia ambiental, pesquisa espacial e telecomunicações. Outro grande empregador é o setor de saúde, que emprega 18 mil pessoas. A indústria de alta tecnologia é a segunda principal fonte de renda de Ottawa, seguida pelo turismo. 
Cerca de quatro milhões de turistas visitam anualmente a cidade.
Três jornais diários são publicados na cidade: O Ottawa Citizen e o Ottawa Sun são impressas em inglês, e o Le Droit é publicado em francês. Além disso, quatro estações de televisão (três em inglês e uma em francês) e 16 estações de rádio (catorze em inglês e dois em francês) estão localizadas na cidade.
Escolas: Ottawa possui cerca de 150 escolas públicas e outras 130 escolas católicas, que atendem a um total de 110 mil estudantes. Todas as escolas são financiadas por verbas municipiais.
Bibliotecas: Ottawa possui um sistema bibliotecário municipal com bibliotecas em várias regiões da cidade, além de uma biblioteca localizada no parlamento e uma biblioteca nacional.
Ensino superior: Três universidades estão localizadas em Ottawa. A Universidade de Ottawa foi fundada em 1848, e oferece cursos em francês e inglês. A Universidade Carleton atende cerca de 18 mil estudantes e a Universidade Saint Paul atende a outros quatro mil estudantes.
Ottawa O-Train do sistema de light rail de Ottawa.
Ottawa é servido por trens de passageiros e de carga, e possui uma limitada malha ferroviária dentro de seus limites municipais.
O Aeroporto Internacional de Ottawa é servido pelas principais linhas aéreas do país, que conectam a cidade com outras cidades primárias do Canadá, bem como algumas cidades nos Estados Unidos.O principal aeroporto da cidade é o Ottawa International Airport. O aeroporto está entre os 6 mais movimentados aeroportos do Canadá, recebendo anualmente cerca de 4,3 milhões de passageiros. 
Ottawa possui um sistema de vias expressas de aproximadamente 40 quilômetros de comprimento, suficiente para atender às demandas da cidade. Porém, este sistema não está ligado com aquela da cidade de Gatineau, o que causa sérios problemas de trânsito entre as pontes que conectam Ottawa com Gatineau. 
As principais rodovias que servem a cidade são a Highway 417 (também parte da Trans-Canada Highway), a Highway 416, e a Quebec Autoroute 5, que liga Ottawa com Gatineau.
O sistema de transporte público é totalmente integrado, dispondo de uma eficiente malha de rotas de ônibus e um sistema de light rail. Muitas vias públicas estão dedicadas exclusivamente ao tráfego de ônibus, bicicletas e/ou pedestres.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ottawa


Toronto é a maior cidade do Canadá, e a capital da província de Ontário. Situa-se na margem norte do Lago Ontário. A cidade de Toronto propriamente dita possui aproximadamente 2,5 milhões de habitantes, com 6,1 milhões de habitantes em sua região metropolitana.
Aproximadamente um terço da população canadense vive dentro de um raio de 160 quilômetros da cidade. Toronto é considerada uma das cidades mais multiculturais do mundo, metrópole que atrai dezenas de milhares de imigrantes anualmente. Seus habitantes são chamados de torontonianos (Torontonians, em inglês).


Toronto é a capital financeira do Canadá, e é considerada uma cidade global alfa, exercendo significativa influência em nível regional, nacional e internacional. É também considerada um dos principais centros financeiros do mundo. Toronto é o centro financeiro do Canadá, bem como um dos principais centros culturais e científicos. Toronto é o maior pólo industrial, financeiro e de telecomunicações do Canadá. A cidade possui uma das economias mais diversificadas da América do Norte, com a maior concentração de sedes de empresas, instituições culturais e a maior comunidade artística do país.
Em janeiro de 2005, Toronto foi escolhida pelo governo canadense como uma das capitais culturais do Canadá. É uma das cidades mais seguras do continente americano - sua taxa de criminalidade é menor do que qualquer grande cidade americana, e uma das menores do Canadá.

Toronto está localizada na margem norte do Lago Ontário. A cidade limita-se ao sul com o o Lago Ontário, a leste com a Municipalidade Regional de Durham, ao norte com a Municipalidade Regional de York e a oeste com a Municipalidade Regional de Peel. A maior parte dos limites com estas municipalidades regionais são realizadas através de ruas ou rios: ao leste através do Rio Rouge, ao norte com a Steeles Avenue e ao oeste com a Etobicoke Creek, a Renforth Avenue, a Eglinton Avenue e a Highway 427. 


Vários rios cortam a cidade, das quais as principais são o Rio Don, o Rio Humber (Ontário) e o Rio Rouge. Suas coordenadas geográficas são 43°40′N, 79°25′O. A cidade possui uma área total de 641 km². Toronto é cortado por diversos rios e riachos. A flora dos vales destes rios são protegidos pela cidade, o que permite a existência de vales densamente florestados dentro de Toronto, com trilhas recreacionais dentro da cidade.
Toronto possui um clima temperado, com quatro estações bem definidas, sendo quente e úmido no verão e frio e seco no inverno. No inverno, a média das mínimas é de -6,6 °C, e a média das máximas, de 0 °C. No verão, a média das mínimas é de 15,5 °C, e a média das máximas, de 26 °C.
Toronto possui um tempo relativamente instável, especialmente nos meses de inverno, com mínimas variando geralmente entre -30 °C e 0 °C, e máximas variando entre -25 °C e 15 °C, sendo que o fator do vento diminui ainda mais estas temperaturas (que podem cair para menos de -40 °C). Períodos de temperaturas amenas ocorrem ao longo do inverno, com máximas entre 5 °C e 10 °C sendo relativamente comuns no inverno), desencadeando o derretimento regular da neve que fazem com que períodos sem neve sejam comuns, existentes até mesmo no meio do inverno. Geralmente, ocorrem dois ou três períodos de temperaturas muito baixas, onde as máximas não superam os -20 °C.
Vista de um cruzamento movimentado de Toronto no inverno, em um dia de alta precipitação de neve.
No verão, as variações de temperatura são menores, com máximas variando geralmente entre 20 °C e 30 °C, e mínimas entre 10 °C e 25 °C. Toronto possui no Canadá uma reputação de ser uma cidade quente, mas comparado com muitas partes do mundo, Toronto experimenta condições climáticas muito frias, exceto no verão.
A economia de Toronto é uma das mais variadas e fortes da América do Norte. Toronto é o principal pólo industrial, comercial e financeiro do Canadá, e um dos principais do continente.
Até a década de 1970, Toronto era o segundo maior pólo comercial do Canadá, atrás de Montreal. 
O grande crescimento econômico de Toronto foi estimulado pela descoberta de grandes depósitos de recursos naturais ao longo da província de Ontário e da crescente presença da indústria automobilística em todo o sul da província. Além disso, a inauguração do Canal Marítimo do São Lourenço permitiu o trânsito de navios entre o Oceano Atlântico até aos Grandes Lagos, tornando Toronto um centro portuário importante. Durante a década de 1960, além disso, o nacionalismo quebequense e a aprovação de várias leis que passaram a obrigar empresas sediadas no Quebec a usarem somente o francês como idioma de trabalho. Isto prejudicou enormemente a economia daquela cidade pois fez com que várias empresas sediadas anteriormente em Montreal - especialmente as grandes multinacionais, cujo mercado se estendem muito além dos limites de Quebec) mudassem para Toronto, onde o francês não é necessário para o comércio. Vários habitantes de Montreal apelidaram esta migração de "Êxodo".
Segundo levantamento de PriceWaterhouseCoopers o produto interno bruto da região metropolitana de Toronto é de aproximadamente 209 bilhões de dólares americanos, com renda per capita de 39,4 mil dólares americanos (estimativa de 2005 utilizando o parâmetro PPP). Isto deixa Toronto em vigésimo primeiro lugar entre as economias das maiores metrópoles do mundo.
Toronto é um grande centro turístico, contendo uma rica variedade de atrações, entre as mais conhecidas, estão a CN Tower, a ex-mais alta estrutura do mundo (embora não seja considerado um edifício, e o Burj Dubai, em Dubai o superou em 2010), e o ROM (Royal Ontario Museum), com suas mais seis milhões de peças que o tornam o maior museu do Canadá. Outras grandes atrações conhecidas incluem, a Casa Loma, edificada em 1911, conhecida por ter 98 quartos. Para a sua construção, foram investidos 3,5 milhões de dólares canadenses.
O Art Gallery of Ontario, inaugurado em 1900 possui uma das mais extensas coleções de arte moderna do Canadá.
A cidade possui grandes shoppings, onde o nome mais famoso é o Eaton Centre.
Entre outros lugares famosos no turismo estão incluídos o Fort York, o Queen's Park, o George R. Gardiner Museum of Ceramic Art, The Bata Shoe Museu, o Yorkville, o Centro de Toronto, a Universidade de Toronto, a Prefeitura entre outros.
O sistema público escolar de Toronto é administrado pela Toronto District School Board (TDSB). O TDSB administra um total de 427 escolas, e é responsável pela educação de mais de 300 mil estudantes por ano, o que faz da TDSB o maior distrito escolar do Canadá e o quarto maior da América do Norte. O sistema católico de ensino administra outras 80 escolas que são responsáveis pela educação de mais de 70 mil alunos por ano.
A biblioteca central de Toronto.
A municipalidade de Toronto administra o maior sistema de bibliotecas públicas do país, e o segundo mais movimentado do mundo, em número de visitas, atrás apenas de Hong Kong. São 99 bibliotecas espalhadas pela cidade, com mais de nove milhões de itens diferentes. A grande coleção de livros, revistas, vídeos, CDs, DVDs e enciclopédias está disponível em diversos idiomas diferentes, sendo o inglês o idioma mais comum dos itens das bibliotecas da cidade. Outros itens podem ser encontrados em um total de 60 idiomas diferentes, sendo as mais comuns o mandarim, cantonês, italiano, espanhol, francês, português, vietnamita, hindi, latim e grego.
O câmpus central da Universidade de Toronto.
Toronto possui três universidades. O câmpus central da Universidade de Toronto (U of T) está localizada no centro da cidade, ocupando uma grande área no centro da cidade, e é a maior universidade do Canadá, empregando nove mil pessoas, e responsável pela educação de mais de 53 mil estudantes. A U of T também possui dois campi menores, uma em Scarborough e outra em Mississauga.
As três juntas atendem cerca de 71,5 mil estudantes por ano. Outras duas universidades localizam-se em Toronto; a Universidade York, localizada em North York, e a Universidade Ryerson, localizada no centro da cidade. A primeira atende a 45 mil estudantes anualmente, e a segunda, 20 mil estudantes.
Toronto possui também outras cinco faculdades. A Faculdade de Arte e Desenho de Ontário é uma das faculdades de arte mais reconhecidas da América do Norte. As outras quatro faculdades - Seneca, Humber, Centenial e George Brown - possuem um total de 29 campi espalhados ao longo da cidade.



Um bonde do Toronto Transit Commission, o sistema de transporte público de Toronto, na Dundas Street.
O fornecimento de serviços de transporte público em Toronto é de responsabilidade do Toronto Transit Commission (Comissão de Trânsito de Toronto), que controla as rotas de ônibus, bondes e metrô que operam dentro da cidade. O sistema de transporte público de Toronto é um dos mais auto-suficientes da América do Norte, gerando cerca de 81% da receita necessária para sua operação. Mesmo assim, este sistema tem recebido verbas insuficientes da cidade e da província nos últimos anos, o que causou uma queda na sua eficiência.


São aproximadamente 400 linhas de ônibus e 12 linhas de bondes servindo a cidade. Toronto é atualmente a única cidade no continente americano, bem como uma das poucas cidades do mundo, a possuir um sistema extensivo de bondes, voltado unicamente para o fornecimento de transporte público. As linhas de bonde operam primariamente no centro da cidade, servindo várias das mais movimentadas ruas e avenidas da cidade. Todas as linhas de bonde e a grande maioria das linhas de ônibus (com exceção de uma) conectam-se em algum ponto com uma estação de metrô. 
O sistema de metrô de Toronto possui 70 quilômetros de extensão e um total de 80 estações espalhadas em quatro linhas diferentes. Foi o primeiro sistema de metrô do Canadá, tendo sido inaugurado em 1954.
O sistema de transporte público de Toronto é totalmente integrado, sendo utilizado diariamente por cerca de 2,5 milhões de pessoas.
Toronto é servida por cerca de 175 quilômetros de ferrovias. A cidade dispõe de um número de estações de trens para locomoção entre as cidades que compõem a região metropolitana de Toronto, e de uma estação central, a Union Station, localizada no centro financeiro da cidade. Esta estação, construída no século XIX, é ao mesmo tempo uma das estações mais movimentadas do metrô de Toronto, e atende também a duas linhas de bonde.
A GO Transit, tendo como principal base de operações a Union Station, oferece linhas inter-urbanas de trens e ônibus em horários regulares entre o centro financeiro de Toronto e seus bairros mais distantes, bem como subúrbios da cidade, e mesmo regiões vizinhas à Região Metropolitana de Toronto, que não fazem parte da área metropolitana, como Hamilton e Oshawa, transportando cerca de 205 mil passageiros por dia.
Toronto possui dois aeroportos dentro da cidade propriamente dita, e um total de oito em sua região metropolitana.
O principal aeroporto da cidade é o Aeroporto Internacional Lester B. Pearson (YYZ), que não está localizado na cidade de Toronto propriamente dita, e sim na cidade vizinha de Mississauga. É o quarto aeroporto internacional mais movimentado de todo o continente americano, e é o mais movimentado do país.

A cidade possui dois aeroportos dentro de seus limites municipais. Um deles é o Aeroporto Toronto City Centre (YTZ), localizado nas Ilhas Toronto, e serve primariamente aos vôos da aviação geral, embora a Air Canada Jazz, uma subidiária da Air Canada, opere um vôo entre o aeroporto e Ottawa. Está conectado ao continente através de um ferry que serve livremente os passageiros da linha aérea. O segundo aeroporto é a "Base Aérea Downsview" (C.F.B. Downsview), localizado em North York, que serve como uma base militar da Força Aérea do Canadá, bem como uma base de testes para a fabricante de aviões Bombardier.
O Aeroporto Internacional de Hamilton é um aeroporto que serve como alternativa ao Lester B. Pearson. Não está localizado propriamente na Região Metropolitana de Toronto, mas sim, em Hamilton, localizado a 85 quilômetros sudoeste de Toronto, sendo uma base para linhas aéreas de baixo custo e vôos charter.
Outros aeroportos na Região Metropolitana de Toronto, que servem apenas a vôos da aviação civil, estão localizadas em Buttonville, Markham, Oshawa, Brampton e Burlington.
Vôos com hidroplanos já foram operados entre Toronto e a região das Cataratas do Niágara. Este serviço já não existe mais.
Vista de uma das balsas que conecta Toronto com as Ilhas Toronto.
O Porto de Toronto, localizado próximo ao centro da cidade, movimenta cerca de dois milhões de toneladas de carga por ano, através de navios de pequeno e médio porte. Para o recebimento de navios de grande porte, Toronto faz uso do porto de Montreal (através de uma conexão via ferrovia).
O transporte entre Toronto e as Ilhas Toronto é feita através de balsas. O serviço é fornecido pelo Departamento de Parques e Recreação de Toronto. As balsas diaramente pecorrem o trecho entre a Bay Street e às ilhas, parando em três delas.
Um serviço de balsa, de passageiros e de alta velocidade, entre Toronto e Rochester, Nova Iorque, foi inaugurado em 17 de junho de 2004. O navio foi apelidado de The Breeze. Porém, este serviço foi suspenso após 11 semanas, quando a companhia, que o operava passou a ter dificuldades financeiras. O navio da companhia - anteriormente sediada em Toronto - foi comprado após a falência da companhia por uma subsidiária do município de Rochester, e o navio voltou a operar na rota Toronto-Rochester em 30 de junho de 2005, com o apelido The Cat.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Toronto

Montreal é a maior cidade da província canadense de Quebec, a segunda mais populosa do Canadá, e também a segunda mais populosa cidade francófona(que fala francês) do mundo.



É também uma região administrativa do Quebec. Situa-se na ilha homônima do Rio São Lourenço, sendo um dos principais centros industriais, comerciais e culturais da América do Norte.
Montreal possui a segunda maior população francófona do mundo, depois de Paris. Porém, Montreal também possui uma considerável comunidade anglófona, e um crescente número de pessoas cujo idioma materno não é nem o francês nem o inglês.
A palavra "Montréal" é a versão arcaica, escrita de forma simplificada, de Mont-Royal, um morro localizado na cidade, no centro da ilha. Montreal é um dos centros culturais mais importantes do país, sediando vários eventos nacionais e internacionais. Entre eles estão o Juste pour Rire, um dos maiores festivais de comédia do mundo, o Festival de Jazz de Montréal, um dos maiores festivais de jazz do mundo, e o Grand Prix de Montreal. Com todos estes eventos, aliado ao seu centro antigo, "le Vieux-Montréal", Montreal é considerada a cidade mais europeia da América do Norte.
Montreal possui uma das populações mais bem educadas do mundo, possuindo a maior concentração de estudantes universitários per capita de toda a América do Norte. A cidade possui quatro universidades - duas delas francófonas e duas delas anglófonas - e 12 faculdades. É um centro da indústria de alta tecnologia - especialmente na área de medicina e na indústria aeroespacial. Montreal é atualmente uma das cidades mais seguras do continente americano, sendo que em 2005 foram cometidos apenas 35 homicídios em toda a cidade.
Montreal foi uma das primeiras cidades do Canadá, tendo sido fundada em 1642. Montreal, desde então, foi até a década de 1960 o principal polo financeiro e industrial do Canadá, bem como a maior cidade do país. Considerada até então a capital econômica do Canadá, Montreal também era considerada uma das cidades mais importantes do mundo. Porém, durante a década de 1970, a anglófona Toronto tomou o posto de capital financeira e industrial do país. Em 2001, os 27 subúrbios de Montreal na ilha homônima foram fundidos com Montreal. Em 2004, após os resultados de um referendo, 15 destas ex-cidades tornaram-se administrativamente independentes de Montreal em 1 de janeiro de 2006, voltando a serem cidades à parte.
A cidade localiza-se na Ilha de Montreal, no Rio São Lourenço, incorporando um total de 74 ilhas menores localizadas perto da Ilha de Montreal. Localiza-se a 75 km a leste da província canadense de Ontário, a 150 km a leste da capital do país, Ottawa e a aproximadamente 250 km a sudoeste da capital da província, a cidade de Quebec. As coordenadas geográficas de Montreal são 45°28′Norte e 73°45′Oeste; a altitude média da cidade é de de 57 m, sendo de 23 m nas margens do São Lourenço, e de 233 m no ponto mais alto do Monte Royal.
A Ilha de Montreal possui 50 km de comprimento por 16 km de largura, na sua máxima extensão, e uma área de 482,84 km². Por estar numa posição diagonal, os habitantes da cidade possuem um jeito atípico de descrever direções na cidade: o norte da cidade corresponde na verdade à direção nordeste na bússola magnética; o sul da cidade, ao sudoeste magnético, o leste da cidade, ao sudeste magnético, e o oeste da cidade, ao noroeste magnético.
Montreal é o centro de uma região metropolitana que se estende por um raio de aproximadamente 40 km da cidade. A metrópole de Montreal é a segunda mais populosa do Canadá, e a décima mais populosa da América do Norte.
A Metrópole Comunitária de Montreal (Communauté Métropolitaine de Montréal) é o órgão público encarregado do planejamento, coordenação e financiamento de desenvolvimento econômico, transporte público, coleta de resíduos, etc, nesta região metropolitana, que compreende 3 839 km² e possui 3 431 551 habitantes. O presidente da Metrópole Comunitária de Montreal é o prefeito da cidade de Montreal.
Uma cena comum em Montreal, nos dias de inverno.
O clima de Montreal varia bastante, devido à localização da cidade numa área onde grandes frentes de ar, uma vindo do pólo norte, e outra, dos Estados Unidos, costumam encontrar-se. A instabilidade do tempo é considerada pelos habitantes de Montreal como parte do caráter da cidade.
A precipitação é abundante na região. Aproximadamente 2,4 metros de neve caem anualmente na cidade, e a chuva é abundante ao longo do ano, principalmente no verão, a estação mais úmida da cidade. A remoção de neve das principais ruas e vias expressas da cidade custa a Montreal mais de 50 milhões de dólares canadenses por ano.
O clima de Montreal é temperado, com quatro estações bem definidas e variadas. No inverno, a temperatura média da cidade é de -10,4 °C (não incluindo o fator do vento), com mínimas entre -40 °C a -10 °C e máximas entre 0 °C e 25 °C. No verão, a média é de 21 °C, com máximas entre 23 °C a 35 °C.
Desde o século XIX até meados do século XX, a economia da cidade foi dominada por comerciantes e empresas anglófonas, que mantinham seus ambientes de trabalho quase sempre em inglês, obrigando os habitantes da cidade a dominarem esta língua, caso pretendessem um emprego bom e bem pago. A Lei 101, contudo, obrigou quaisquer estabelecimentos e empresas com mais de 50 funcionários a manter também o francês na área de trabalho.
Montreal possui atualmente uma força de trabalho bem experiente mas em declínio, com a migração de habitantes da classe média e alta (especialmente francófonos) para outras cidades vizinhas, e com a entrada de migrantes de outras partes de Quebec, especialmente de áreas rurais, que não possuem experiência ou educação para conseguir um bom trabalho, tendo uma renda mínima, muitas vezes insuficiente para cobrir os altos custos de vida na grande cidade.
O Tour de la Bourse, sede da Bolsa de valores de Montreal.
Sendo o segundo maior centro financeiro do país, atrás apenas de Toronto, Montreal continua um dos principais centros financeiros da América do Norte. 



Suas raízes bilíngues e sua posição estratégica na América do Norte atraem empresas interessadas em trabalhar no continente norte-americano, especialmente, companhias francesas, dando a Montreal um acesso especial ao mercado francês e europeu.
Importantes empresas, tanto companhias canadenses sediadas na cidade, bem como companhias de outros países que escolheram a cidade como principal sede no país ou mesmo no continente, possuem seus quartéis-generais na cidade, como a Air Canada, o IBM Canada e a Bombardier. Montreal é o segundo centro econômico de língua francesa mais importante do mundo.
A bolsa de valores da cidade (Bourse de Montréal), inaugurada em 1874, a primeira do Canadá e a principal do país até 1999, já não movimenta mais ações (agora realizadas na bolsa de valores de Toronto). Agora, está especializada na troca e venda de derivatives (contratos de investimento). Outra importante fonte de renda importante da cidade é o turismo.
Cerca de cinco mil fábricas instaladas em Montreal empregam cerca de 25% da força de trabalho da cidade. Montreal é um centro de indústria farmacêutica, de alta tecnologia, têxtil e de manufatura de roupas. Produz também produtos eletrônicos, equipamentos de transporte e de telecomunicação, alimentos industrializados, e é um centro de processamento de tabaco.
A região metropolitana de Montreal é um dos principais centros aeroespaciais do mundo, onde está localizado a maioria das fábricas da Bombardier, empregando milhares de trabalhadores. A OACI (Organização da Aviação Civil Internacional) e a CAE (produtora de simuladores de vôo) também estão sediadas na cidade.
Refinarias de petróleo instaladas na cidade produzem boa parte da gasolina do país. A cidade também é um forte centro de processamento de alimentos, graças à sua localização na província, uma das regiões mais férteis do país.
Montreal possui 28 estações de rádio (17 em francês, dez em inglês e uma bilíngue), nove estações de televisão (cinco em francês e quatro em inglês), quatro jornais diários (três em francês e um em inglês), além de vários outros jornais comunitários, publicados semanalmente, em francês, inglês e outros idiomas.
Os três jornais diários em francês são La Presse, Le Journal de Montréal e o Le Devoir. O Le Journal de Montréal é o jornal de maior circulação em Quebec, e também é o jornal francófono de maior circulação na América do Norte.
O Montreal Gazette é o único jornal diário publicado em inglês na cidade, e, sendo publicado pela primeira vez em 1778, é também o jornal mais antigo da cidade.
Universidade de Montreal.
O centro de ensino de artes da Universidade McGill.
Existem dois sistemas públicos de escolas públicas na cidade, um encarregado de atender alunos cujo idioma materno é o francês, e outro para atender alunos primariamente anglófonos. Os pais também podem optar por deixar suas crianças no sistema católico de ensino, que é subsidiado pelo município.
A taxa de alunos estudando em escolas particulares na cidade é a maior do Canadá. Aproximadamente 24% dos alunos morando em Montreal estudam em escolas privadas.
O sistema de bibliotecas públicas de Montreal compõe-se de uma biblioteca central e de outras, menores, ao redor da cidade. Enquanto a maioria das edições de enciclopédias e outros livros importantes sejam em francês, outras coleções, livros e revistas podem ser encontradas em inglês e mesmo em outros idiomas, das quais as mais comuns são em italiano, chinês, português, espanhol e em árabe, entre outros.
Montreal possui a maior população universitária per-capita da América do Norte, devido às suas quatro universidades, sendo três delas altamente reconhecidas na América do Norte: a Universidade McGill (que ensina em inglês), a Universidade Concórdia (também em inglês),e a Universidade de Montreal (que ensina em francês). Outras universidades na região metropolitana de Montreal são a Universidade de Quebec em Montreal, e na cidade vizinha de Longueuil, a Universidade de Sherbrooke em Longueuil. Montreal possui também várias faculdades.
Montreal é o maior pólo rodoviário, ferroviário e portuário do Canadá, bem como possui o terceiro mais movimentado aeroporto do país, o Aeroporto Internacional Pierre Elliot Trudeau.
Montreal é uma cidade bem servida por estradas, com seis rodovias nacionais conectando a cidade a outras cidades canadenses, e aproximadamente 85 quilômetros de vias expressas cortando a cidade. Outras 60 km de vias expressas estão localizadas nas imediações da cidade. Está conectada com suas cidades vizinhas através de quatro pontes, em direção à margem sul do São Lourenço, seis em direção à Laval, e duas em direção à margem norte do São Lourenço.
Apesar disto, a cidade possui vários problemas de trânsito, decorrentes do grande tráfego de veículos procedentes dos subúrbios, principalmente de Longueuil, onde a largura do Rio São Lourenço torna a construção de pontes cara e difícil.
Montreal é servida pelo Aeroporto Internacional Pierre Elliot Trudeau, localizado na cidade vizinha de Dorval, atendendo principalmente a vôos de passageiros e da aviação geral, e pelo Aeroporto Internacional Montréal-Mirabel, localizado a cerca de 50 quilômetros do centro financeiro de Montreal, na cidade de Mirabel, que atende primariamente a vôos de carga aérea.


O Aeroporto Internacional Pierre Elliot Trudeau está no momento passando por um programa de reformas e expansão que se iniciou em 2000 e deverá terminar ainda em 2006. Este programa fará com que o aeroporto seja um dos primeiros do continente americano a permitir a operação do Airbus A380, o maior avião comercial do mundo. A Air France pretende utilizar A380s na rota Montreal-Paris, quando receber estas aeronaves.
O porto de Montreal estende-se por quinze quilômetros ao longo da margem sul e leste do Rio São Lourenço, tanto servindo grande navios oceânicos de grande porte como navios menores adaptados para uso nos Grandes Lagos. Movimenta cerca de 23 milhões de toneladas de carga anualmente. Montreal é um dos principais centros portuários da América do Norte, e o segundo principal do Canadá, atrás apenas do porto de Vancouver.

Habitat, um dos pavilhões da Expo 67.
Como um centro primário da cultura canadense, Montreal possui muitos museus. Entre eles, estão o Museu Redpath, o Museu McCord de História Canadadense e o Centro Canadense de Arquitetura. O complexo cultural do Palácio das Artes de Montreal abriga o Museu de Arte Conteporânea, e possui vários teatros.

Conhecida como Cidade dos Santos, (la ville aux cent clochers, em francês), Montreal possui inúmeras igrejas e basílicas, tanto que Mark Twain, um famoso humorista americano, comentou certa vez: foi a primeira vez que estive numa cidade na qual uma pessoa não pode lançar uma pedra sem estilhaçar a janela de uma igreja. Catedral Marie-Reine-du-Monde, Basílica Notre-Dame de Montreal, Basílica de São Patrício e o Oratório de São José. A última é a maior igreja canadense, possuindo o maior domo (ou cúpula) do seu género, logo a seguir ao da Basílica de São Pedro, em Roma.

Chinatown, localizada ao sul do centro financeiro, com várias lojas e restaurantes chinesas e algumas vietmitas.
O centro velho de Montreal.
Montreal é o terceiro maior pólo turístico do Canadá, atrás de Vancouver e Toronto. Anualmente, a cidade é visitada por milhões de turistas.
Montreal possui centenas de parques e áreas verdes dentro da cidade e nas várias ilhazinhas cercando a Ilha de Montreal. Entre as mais famosas estão:
O Monte Royal, que é parte de um imenso parque urbano, localizado em Montreal e na cidade vizinha de Mont-Royal. O centro financeiro da cidade está localizado ao pé da colina. Cada domingo no verão, centenas de pessoas juntam-se ao pé do Monte Royal, no parque, para várias horas de dança sincronizada, entre outras atividades - um evento conhecido como Tam Tams.
O Jardim Botânico, inaugurado em 1931, o segundo maior do mundo, perdendo apenas para o Jardim Real de Kew, em Londres, Reino Unido.
O Parque Jean Drapeau, onde está localizado a Biosfera de Montreal, criada para a Feira Mundial de 1967, e que continua de pé até hoje.
Vista da rue Sainte-Catherine.
A rue Sainte-Catherine é uma rua comercial que atrai diversos turistas, devido aos seus shopping centers, grandes lojas, teatros e restaurantes.








A Boulevard Saint-Laurent, a principal avenida de Montreal, cortando-na num sentido norte-sul, é uma mostra da variedade cultural da cidade, onde lojas, restaurantes e comunidades portuguesas, gregas, judaicas, russas, ucranianas e latino-americanas estão localizadas. Além disso, a rua corta o centro financeiro, Chinatown e a Pequena Itália (centro da comunidade italiana) da cidade.
A rue Sherbrooke, com suas lojas luxuosas e suas galerias de arte.
Boulevard René-Levésque, o centro financeiro da cidade, onde a maior parte dos arranha-céus da cidade estão localizados.
O Palais des Congrès de Montreal.
O estádio olímpico, inaugurado em 1976, que possui a maior torre inclinada do mundo, com seus 170 metros de altura.
A arquitetura de muitos dos prédios de apartamentos de dois a quatro andares da cidade caracteriza-se pela presença de escadas fora do edifício, com o objetivo de economizar espaço interno.
O Palais des Congrès, o centro de convenções da cidade, localizado no Quarteirão Internacional de Montreal (QIM). Foi construído antes da revitalização ter ocorrida no QIM.
Montreal é um dos maiores centros homossexuais da América do Norte, possuindo uma das maiores vilas gays do continente. Seu festival de Orgulho Gay é o segundo maior da América do Norte, atrás somente daquele realizado em Toronto.
O Estádio Olímpico de Montreal.
O esporte mais famoso e praticado na cidade é o hóquei. A história deste esporte, aliás, remonta a Montreal. 
Além do estádio olímpico, a cidade possui um circuito de Fórmula 1, o Circuito Gilles Villeneuve.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Montreal



A cidade de Quebec (Québec, na nomenclatura oficial no país), também por vezes chamada de Quebeque em português, é a capital da província do Quebec, no Canadá, e a cidade mais antiga do país. Localiza-se no sudeste da província, às margens do Rio São Lourenço, a aproximadamente 180 quilômetros nordeste da maior cidade da província, Montreal.
A cidade propriamente dita tem cerca de 508 mil habitantes, com aproximadamente 690 mil habitantes vivendo na zona metropolitana da cidade de Quebec.
A cidade de Quebec é a única cidade entre o Canadá e os Estados Unidos cujos muros ainda estão de pé. O nome da cidade, bem como a da província, vêm de uma palavra de origem algonquina, que significa passagem estreita. Isto porque a largura do Rio São Lourenço na região da cidade de Quebec é de apenas 800 metros.
O nome oficial da cidade é Québec, pelo governo provincial e federal, e tanto em francês quanto no inglês. No francês a província é chamada de Le Québec, enquanto a cidade é simplesmente Québec, sem o Le. Para a apropriada diferenciação entre a província e a cidade, esta geralmente é chamada de ville de Québec em francês ou Québec City em inglês.
A cidade localiza-se na margem norte do Rio São Lourenço, que possui uma largura média de 1 quilômetro na região, com apenas 800 metros na região mais estreita. O clima da cidade é temperado, com temperaturas amenas no verão, e temperaturas muito baixas no inverno.
As coordenadas geográficas da cidade são 46°50′Norte e 71°15′Oeste.


O centro da cidade está dividida em duas partes. A alta cidade (haute-ville) e a baixa cidade (basse-ville), separadas por uma colina muito inclinada, são conectadas por um elevador e por um sistema de escadas. A baixa cidade abriga o porto antigo. A região mais antiga da cidade caracteriza-se pela presença marcante do Château Frontenac e pelas suas ruas estreitas, com muitas delas de uso exclusivo para pedestres.
A proximidade da cidade de Quebec com Montreal, localizado a apenas 250 quilômetros da cidade, limitou o desenvolvimento industrial da cidade de Quebec. Mesmo assim, mais de 500 companhias de manufaturação possuem fábricas na cidade, com quase 20 mil trabalhadores, e produzem aproximadamente anualmente produtos na ordem de 1,3 bilhão de dólares canadianos.
Depois da indústria de manufatura, a principal fonte de renda da cidade é o turismo. A maioria dos turistas que visitam a cidade vêm de outras cidades da província de Quebec, seguidas dos turistas que vêm de outras partes do Canadá. O terceiro maior grupo é o dos turistas vindos dos Estados Unidos.
Escolas: O sistema público de educação da cidade de Quebec é bilíngue, ou seja, possui escolas que ensinam primariamente em francês (que compõem a grande maioria do sistema escolar da cidade), ou inglês.
Bibliotecas: A cidade de Quebec possui um total de cinco bibliotecas municipais, mais uma biblioteca provincial e outra nacional. Uma oitava biblioteca está localizada na Universidade de Laval. A maior parte do catálogo das bibliotecas são edições em francês, embora algumas edições possam ser encontradas em inglês.






Universidades:  Quebec possui duas universidades. A Universidade Laval, que cobre uma área de 1,2 km², 30 estruturas, todas conectadas por um sistema de túneis de dez quilômetros de comprimento. Foi a primeira universidade francófona do continente americano. A segunda universidade é a Universidade do Quebec (campus central).



Vista do Château Frontenac, da cidade inferior e do Rio São Lourenço, no inverno.
A grande maioria das atrações de Quebec estão localizadas no centro histórico da cidade, na alta cidade ou na baixa cidade:
O Château Frontenac, um imenso hotel, construído em um estilo que lembra os castelos franceses.
A Citadelle e as muralhas que cercavam a antiga cidade. Primeiramente construídas no século 17, foram parcialmente destruídas pelos britânicos na Guerra Franco-Indígena. As muralhas atuais foram construídas entre 1820 e 1831.
O Morro do Parlamento (Colline parlementaire), onde está localizada a Assembleia Nacional de Quebec, a legislatura provincial.
A cidade de Quebec possui mais de 400 parques e jardins. Um dos parques mais imponentes da cidade é o Parc des Champs-de-Bataille ou Planície de Abraham, próximo ao centro histórico da cidade, e as Cataratas de Montmorency, com seus 85 metros de altura.
O Quebec possui muitas igrejas, basílicas e catedrais, muitas delas localizadas no centro histórico da cidade.
As mais imponentes delas são a Catedral Notre-Dame de Québec (Nossa Senhora de Quebec), a principal igreja da província e do país, o Convento Ursuline, fundada em 1639 e a Catedral Anglicana da Santíssima Trindade, a primeira catedral anglicana fora da Inglaterra, tendo sido fundada em 1804.
Vista de uma ruazinha da cidade, na baixa cidade.
São quatro os museus presentes na cidade. O Musée national des beaux-arts du Québec, a maior da província de Quebec, possui pinturas, esculturas e outras obras de arte. O Musée Historique, com esculturas de cera que retratam cenas importantes da história canadiana. O Museu Seminário, com pinturas, moedas e selos antigos, e o Musée de la Civilization, com obras sobre a cultura humana e a civilização.

A avenida Grande-Allée, uma rua arborizada, primariamente comercial, com muitas lojas e restaurantes.














Hôtel de glace - O hotel de gelo.

Mais longe estão as Cataratas de Montmorency e a Basílica de Santa Ana de Beaupré, na localidade de Sainte-Anne-de-Beaupré.
Balsa ligando as cidades de Lévis e Quebec.
A cidade possui um sistema de transporte público eficiente e integrado.
As ruas do centro histórico são estreitas. Muitas delas mantêm características do passado, e são proibidas para veículos e ciclistas, onde podem trafegar apenas pedestres.



A cidade de Quebec é servida pelo Aeroporto Internacional Jean Lesage, e possui um porto capaz de manejar navios de grande porte.
Duas pontes, além de um serviço de ferry, conectam Quebec com a costa sul do Rio São Lourenço, mais exatamente, a cidade vizinha de Lévis.
Quebec é bem servida por vias expressas e rodovia, bem como por ferrovias, tendo terminais ferroviários de passageiros e de carga.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Quebec


Niagara Falls (Cataratas do Niágara, em português) é uma cidade, localizada na província canadense de Ontário, perto da fronteira canadense com os Estados Unidos, Estado de Nova Iorque. Fica à beira das Cataratas do Niágara, no Rio Niágara.



 À leste, a cidade de Niagara Falls, Ontário, conecta-se através de duas pontes com a cidade de Niagara Falls, Nova Iorque. Sua população é de 78 815 habitantes.
Devido à bela paisagem natural proporcionada pelas cataratas onde a cidade está localizada, a principal fonte de renda da cidade é o turismo.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Niagara_Falls_(Ont%C3%A1rio)

Winnipeg é a capital e a maior cidade da província canadense de Manitoba. Localizada na região central do Canadá e próxima ao centro geográfico da América do Norte, é um importante centro de comércio, produção, transportes, agricultura e serviços educacionais do país. Devido à sua importância histórica como pólo de transportes, recebeu o cognome Gateway to the West (em português, "Passagem para o Oeste"). Seu nome é uma transcrição da palavra cree wīnipēk, que significa "águas barrentas", de wīni (suja, barrenta), e nipiy (água).
Situa-se em uma planície de inundação, na afluência dos rios Red e Assiniboine, em torno do ponto popularmente conhecido como The Forks ("As Forquilhas"), antigo local de comércio entre os povos ameríndios. É protegida contra inundações através de um sistema de contenção de enchentes chamado Red River Floodway.
A cidade propriamente dita possui 663.617 habitantes, enquanto sua região metropolitana possui 730.018 habitantes, sendo a sétima maior cidade do país e a oitava maior região metropolitana. Em 2012, foi listada como uma das 10 melhores cidades para se viver no Canadá pela revista Money Sense, em um ranking que avalia diversos fatores, como desigualdade social, saúde, crime, desemprego e clima.
Conhecida nacionalmente pelo seu extremos climáticos: no inverno, é uma das cidades de grande porte mais frias do mundo, com temperaturas médias abaixo de zero de novembro até março, mas com verões muito quentes, com a temperatura frequentemente alcançando os 30ºC entre maio e setembro, muitas vezes excedendo os 35°C. Recebe mais mais precipitação média anual (tanto na forma de chuva quanto de neve) do que outras cidades das Grandes Planícies canadenses, embora também se caracterize pela abundância de luz solar, recebendo mais horas de Sol por ano do que Toronto, Montreal, Vancouver e Edmonton.
Winnipeg está localizada na parte inferior do vale do Rio Red, em um terreno extremamente plano. Não existem morros de elevação substancial, tanto dentro da cidade de Winnipeg em si, quanto em regiões geográficas próximas. O centro de Winnipeg está localizado na intersecção da Portage Avenue e da Main Street, a cerca de um quilômetro longe das forquilhas do Rio Red e do Rio Assiniboine. Desta intersecção, conhecido como a intersecção onde mais venta no Canadá, todas as ruas radiam-se para fora. 
As vias públicas de Winnipeg estão organizadas em um sistema de gradeamento (com ruas cruzando-se entre si na perpendicular), embora existam diversas grades na cidade, cuja posição depende de sua localização - grades próximas aos rios tendem a correr paralelamente ou perpendicularmente em relação ao rio, enquanto em grades relativamente distantes dos rios, a maioria das vias públicas da cidade a correm em uma direção norte-sul ou leste-oeste. 
No geral, avenidas correm em direção leste-oeste, e ruas, em direção norte-sul. Ao contrário de muitas cidades do Canadá e dos Estados Unidos, todas as cidades são nomeadas, e não numeradas. Além disso, muitas vias públicas de Winnipeg são extremamente largas, devido às condições do solo sobre a qual a cidade está localizada na primavera, e do uso histórico do Red River Cart, que criava largas calçadas nas estradas enlameadas da cidade, à época. A maior parte da Portage Avenue, por exemplo, possui quatro faixas de cada lado, mais uma faixa central.
O centro de Winnipeg é o coração financeiro da cidade, e cobre uma área de cerca de 2.5 km² de extensão, o que é considerada bem grande, para uma cidade deste tamanho.
Em Winnipeg era anteriormente um dos estabelecimentos comerciais mais bem-sucedidos do mundo, um estabelecimento da Eaton's na Portage Avenue. Porém, após a compra da Eaton's por parte da Sears, em 2001, este estabelecimento foi demolido, e no lugar, foi construído uma arena, o MTS Centre, em novembro de 2004. Em torno do centro de Winnipeg estão diversos bairros residenciais. O desenvolvimento urbano espalha-se em todas as direções partindo do centro, mas é maior nas regiões sul e oeste, acompanhando o curso dos dois principais rios da cidade. A área urbanizada de Winnipeg possui 25 quilômetros de extensão leste-oeste e 20 quilômetros de extensão norte-sul, embora exista ainda muita terra disponível, pronta para ser ocupada e desenvolvida, dentro dos limites municipais.
Winnipeg é conhecida por seus parques bem arborizados.
Winnipeg está localizada nas Grandes Planícies, uma região caracterizada por seu terreno, em sua maior parte plana e pouco acidentada. Sem obstáculos geográficos que possam barrar frentes frias vindas do Ártico, ou frentes quentes vindas do sul, Winnipeg caracteriza-se pelo seu clima altamente instável, cujas condições podem mudar repentinamente e drasticamente em questão de horas.
Outra característica da cidade são seus invernos comumente muito frios. O vale do Rio Red atua como um canal, direcionando ventos frios vindos do norte diretamente na cidade. Como consequência, a cidade enfrenta temperaturas baixas e precipitação pesada de neve desde o fim de outubro, até abril, durando dezembro, janeiro e fevereiro. Seus invernos muito frios renderam-lhe o cognome de Winterpeg (winter, em português, significa "inverno"). 
Temperaturas no invernos geralmente atingem -35 °C sem contar com a sensação termica preveniente dos fortes ventos, que diminui mais a temperatura.
Verões são tipicamente quentes, com temperaturas acima de 25 °C, com muito Sol o ano inteiro. Outonos e primaveras tendem a ser na cidade períodos de curta duração, cada uma durando aproximadamente 6 semanas.
No Canadá, o fornecimento de serviços de educação pública é uma responsabilidade do governo provincial.
Em Winnipeg, existem 6 distritos escolares: Winnipeg, St James-Assiniboia, Pembina Trails, Seven Oaks, River East Transcona e Louis Riel. No total, a cidade possui cerca de 255 escolas públicas. A cidade também possui cerca de 40 escolas católicas e privadas. A maior parte do orçamento dos distritos escolares de Winnipeg é obtida através de impostos criados por tais distritos à população da região. O governo do Manitoba fornece o restante dos fundos necessários.
A prefeitura administra um sistema de bibliotecas públicas, que é composta de 21 bibliotecas diferentes.
Winnipeg possui 5 universidades: Universidade de Manitoba, Universidade de Winnipeg, Colégio Universitário de Saint-Boniface, Universidade Mennonita do Canadá e Red River College.


A Universidade de Manitoba é a maior da província de Manitoba, e foi fundada em 1877, sendo a primeira universidade do oeste canadense. A Universidade de Winnipeg recebeu sua oficialização em 1967, entretanto ela já existia há mais de 130 anos antes.
Winnipeg é bem conhecida por suas artes e cultura. Winnipeg possui diversas instituições de arte internacionalmente renomadas. 
As instituições culturais mais populares da cidade são: o Balé Real de Winnipeg, a Galeria de Arte de Winnipeg, o Manitoba Theatre Centre, o Prairie Theatre Exchange e a Orquestra Sinfônica de Winnipeg. A cidade sedia anualmente diversos grandes festivais. O Winnipeg Fringe Theatre Festival é o segundo maior festival do teatro fringe da América do Norte, realizado todo julho. Outros festivais incluem o Festival de Voyageur, o Folklorama, o Festival de Jazz de Winnipeg, o Festival de Folk de Winnipeg, o Festival de Música de Winnipeg, a Exposição de Red River e o Festival Internacional Infantil de Winnipeg. Outra contribuição musical de Winnipeg para o mundo é a banda de rock Bachman Turner Overdrive.
Winnipeg é considerado um dos principais centros culturais do Canadá. Os mundialmente famosos Balé Real de Winnipeg, a Orquestra Sinfônica de Winnipeg e a Associação de Ópera de Manitoba, todas operam no Centennial Concert Hall. A última é parte do Centro Centenial de Manitoba, que também inclui o Manitoba Theatre Centre, o "Museu do Homem e da Natureza", e um planetário. A Galeria de Arte de Winnipeg atrai anualmente muitos turistas. A cidade abriga também o Mennonite Heritage Centre e o Museu Ucraniano do Canadá. A arte de Winnipeg está mundo bem representada perante ao mundo também pelo fato de ser a cidade-natal da atriz Anna Paquin, que ficou conhecida por ter vivido a Vampira da trilogia cinematografica de X-Men e atualmente está no seriado True Blood.
A cidade possui dois jornais diários, o Winnipeg Free Press e o Winnipeg Sun. Cerca de 5 estações de televisão e 10 estações de rádio servem a cidade, incluindo uma estação de rádio e televisão com sua programação em francês. Winnipeg possui cerca de 900 parques e praças.
O Exchange District Historical é o centro histórico de Winnipeg. Foi anteriormente o centro comercial da cidade. Quando as primeiras ferrovias se instalaram na região, em torno da década de 1870, diversos estabelecimentos comerciais e depósitos foram construídos nesta área. Muitas destas construções estão ainda em pé em tempos atuais. Em 27 de setembro de 1997, o governo do Canadá declarou esta área um patrimônio histórico.
Jogo do Manitoba Moose no MTS Centre.
Em 1972, o Winnipeg Jets foi uma das equipes originais da Associação Mundial de Hóquei e ganhou três títulos na liga Avco World Trophy em oito anos. Os Jets entraram na National Hockey League (Liga Nacional de Hoquéi) em 1979 e jogaram em Winnipeg até 1996 quando foram vendidos para um grupo de Phoenix, Arizona e se mudaram para lá passando a ser a equipe Phoenix Coyotes.
Desde 1996, a cidade vinha sendo a "casa" da equipe Manitoba Moose, membro da American Hockey League (Liga Americana de Hóquei).
Em 2011, o time do Atlanta Thrashers foi comprado por um grupo canadense, o que trouxe de volta o Winnipeg Jets que atualmente participam da NHL e tem seus jogos realizados no MTS Centre.
A cidade possui uma equipe na Canadian Football League (Liga Canadense de Futebol americano), o Blue Bombers que já ganhou 10 Grey Cups. Tem seus jogos realizados no Canad Inns Stadium.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Winnipeg

Calgary é terceira cidade mais populosa do Canadá, a mais populosa da província de Alberta, e a quinta região metropolitana mais populosa do país. Localiza-se no sul da província, a cerca de 80 quilômetros a leste das Montanhas Rochosas. Sua população é de 1.096.833 habitantes a partir do censo de 2011 , a e uma população da região metropolitana de 1.214.839 habitantes.

Fundada em 1875, Calgary é atualmente um centro financeiro e comercial, onde estão localizadas as sedes das principais empresas petrolíferas do Canadá.

Calgary está localizada aos pés das Montanhas Rochosas, que estão localizadas a apenas 80 quilômetros da cidade. Com isto, a altitude de Calgary é alta, de aproximadamente mil metros no centro financeiro da cidade, e de 1 084 metros no seu aeroporto. Dois rios cortam a cidade: o Rio Bow, que corta a cidade no sentido oeste - sul, e o Rio Elbow, que corta a cidade no sentido sul - norte e desembocando eventualmente no Rio Bow.
O clima e o tempo em Calgary é altamente instável, embora a cidade possua uma reputação pelos seus invernos muito frios. A instabilidade do tempo provém do choque de duas frentes, uma polar fria, vinda do norte, e outra, quente, vinda do sul. Além disso, os ventos de Chinook, secos e amenos, que vêm do Oceano Pacífico, aumentam a temperatura da cidade em cerca de 20°C, no inverno, e podem durar vários dias.
No verão, Calgary possui temperaturas máximas de 20°C a 25°C, com médias de 16°C. No inverno, máximas de -5°C a 5°C, mínimas de -20°C a -10°C, e média de -9°C. A taxa precipitação média anual de chuva é de 32 centímetros, e a taxa precipitação média anual de neve é de 126 centímetros.
Mais empresas estão sediadas em Calgary do que qualquer outra cidade canadense, com exceção de Toronto. O centro financeiro de Calgary possui vários arranha-céus modernos, de até 215 metros de altura. Calgary é sede das maiores companhias petrolíferas do país, bem como de outras companhias petrolíferas estrangeiras instaladas no Canadá. Os principais bancos do país mantêm sedes secundárias na cidade. Outras empresas, que trabalham com engenharia e geologia, também possuem suas sedes principais instaladas na cidade.
Calgary possui diversas refinarias de petróleo, embora Edmonton refine a maioria do petróleo extraído em Alberta. Plásticos e refino de gás natural também operam em grande escala na cidade.
Calgary é um centro industrial de processamento de alimentos. A maior parte do gado criado em fazendas e pastos em torno da cidade é processada na Grande Calgary. Outras indústrias importantes incluem textêis, roupas, químicos, equipamentos elétricos, papel, equipamentos de telecomunicação, pesquisa biotécnica e equipamentos de computadores.
Calgary possui quatro jornais diários, bem como dois jornais comunitários, 7 estações de rádio AM, 17 estações de rádio FM, e 5 estações de televisão.
Escolas: O sistema de educação pública da cidade de Calgary é composto por cerca de 200 escolas. Além disso, a cidade também possui 80 escolas católicas, cujas verbas são fornecidas pela municipalidade de Calgary.
Bibliotecas: São 16 no total. A primeira delas foi construída em 1912, e foi a primeira biblioteca pública construída em Alberta.
Educação superior: A cidade possui uma universidade, a Universidade de Calgary. Outras cinco faculdades também estão instaladas na cidade.
O sistema de transporte público, é operado pelo Calgary Transit, que opera uma malha eficiente de 160 linhas de ônibus na cidade, além de duas linhas de light rail, que possuem um total de 42,1 quilômetros.
Um sistema eficiente e bem mantido de ruas e avenidas cortam a cidade, embora poucas vias expressas cortem a cidade.
Calgary possui um total de 400 quilômetros de linhas designadas a ciclistas, além de outros 200 quilômetros de vias especialmente planejadas para ciclistas. Com isto, incentivam os habitantes da cidade a caminharem ou a usarem bicicletas para irem ao trabalho, à escola e a outros destinos.
Um sistema de 16 quilômetros de vias elevadas, de uso exclusivo para pedestres, é o mais extenso do mundo do gênero, com seus 16 quilômetros de comprimento, conectando diversos edifícios, restaurantes, shopping centers e lojas espalhadas pela cidade.
O Aeroporto Internacional de Calgary é o terceiro aeroporto mais movimentado do Canadá, em número de pousos e decolagens, e quarto em número de passageiros. Diversas linhas aéreas conectam Calgary com as principais cidades do país, bem como a um número de destinos internacionais, primariamente nos Estados Unidos.



A Baixa de Calgary.

A baixa de Calgary compreende uma grande variedade de bares, lojas, restaurantes, centros comerciais, actividades culturais e praças públicas como a


Olympic Plaza. Atracções turísticas na baixa incluem o Zoo de Calgary, o Mundo da Ciência, o Centro de Convenções, a Chinatown, o Museu Glenbow, a Calgary Tower, a Galeria de Arte de Calgary, e o Centro para as Artes Cénicas EPCOR. Com 1.01 ha, os Jardins de Devonian são um dos maiores parques interiores urbanos. Na baixa fica também o Parque de Prince's Island. 

A "17 Avenue" é conhecida pelos seus muitos bares, restaurantes, lojas, clubes nocturnos, etc.. Também conhecida é a "Stephen Avenue", uma rua de pedestres, conhecida pelas suas muitas lojas e pelas suas "árvores" de aço.
As atracções na parte oeste da cidade incluem o Heritage Park Historic Village, ilustrando a vida em Alberta na época pré-1914 e que compreende veículos históricos ainda em funcionamento, como a locomotiva a vapor. A própria aldeia compreende uma mistura de réplicas de edifícios antigos e de estruturas históricas, recolocadas, vindas do sul de Alberta. Outras grandes atracções da cidade incluem o Canada Olympic Park (e a Parede da Fama Olímpica do Canadá), o parque de diversões Calaway Park, Spruce Meadows (centro equestre) e o Race City Motorsport Park.
Petro-Canada Centre
A baixa de Calgary pode ser facilmente reconhecida pelo seu grande aglomerado de arranha-céus. Algumas destas estructuras, como a Calgary Tower e a Pengrowth Saddledome são símbolos únicos de Calgary. No total, há 10 torres de escritórios que tem 150 metros (habitualmente com cerca de 40 andares) ou mais. O mais alto destes é o Petro-Canada Centre, que é a mais alta torre de escritórios no Canadá, fora de Toronto. As Torres de Bankers Hall são também as mais altas torres gémeas do Canadá. Em 2007, Calgary tinha 220 arranha-céus completos, 21 em construção, 13 aprovados para construção, e mais 10 propostos.
Para ligar os vários edifícios de escritórios na cidade, a cidade tem também a mais extensa rede de skyway (pontes pedrestes, elevadas que ligam, por exemplo 2 edifícios) no mundo, chamada oficialmente + 15. O nome deriva do facto de as pontes habitualmente estarem a 15 pés (4.6 metros) acima do solo.
Um dos eventos mais importantes da cidade
Calgary Stampede.
Com o desenvolvimento da pecuária e da plantação de trigo, incentivada pela ferrovia transcontinental que cortava a cidade, Calgary crescia. Em 1912 quatro vaqueiros organizaram um rodeio, o qual chamaram de Calgary Stampede, que em seguida tornou-se um evento anual na cidade.
Hoje o famoso Calgary Exhibition and Stampede, realizado todos os anos de 04 a 14 de julho, é conhecido como o maior rodeio do mundo. O evento reúne peões de diferentes países em competições de montaria e laço. Eles disputam um prêmio total no valor de 775 mil dólares canadenses. O primeiro lugar, inclusive, já foi conquistado pelo brasileiro Adriano Moraes em 1994.
O rodeio pode fazer o visitante lembrar da conhecida Festa do Peão de Boiadeiro, que acontece em Barretos, no interior de São Paulo. E o estilo da região oeste canadense, sem dúvidas vai remetê-lo até a região Centro-Oeste do Brasil. Além das concorridas competições do rodeio, durante o Calgary Exhibition and Stampede o turista pode se divertir no Stampede Cassino.
Outra atração é o parque de exposições de Stampede, o Stampede Park, que fica aberto para visitação durante o ano inteiro. Mesmo que a visita à cidade seja fora da festa dos cowboys, vale a pena incluir o parque no programa. Lá estão pistas de corridas de cavalo, quadras de hóquei sobre o gelo, instalações para eventos e feiras.
Calgary também é internacionalmente conhecida por ser a cidade natal da família Hart, tradicional no meio do wrestling, destacando-se, principalmente, Bret Hart e Owen Hart, filhos do patriarca Stu Hart, que mantinha um dojo na cidade para treinamento de wrestlers conhecido como "The Dungeon".
http://pt.wikipedia.org/wiki/Calgary





Vancouver é uma cidade litorânea localizada na Lower Mainland da Colúmbia Britânica, no Canadá. O nome da cidade vem do capitão britânico George Vancouver, que explorou a área na década de 1790. O nome "Vancouver" origina-se do holandês "van Coevorden", denotando alguém de Coevorden, uma cidade nos Países Baixos.
Vancouver é a maior área metropolitana no Oeste do Canadá e ocupa a posição de terceira maior do país e de oitava maior cidade propriamente dita. Segundo o censo de 2011, Vancouver tinha uma população de pouco mais de 603.502 habitantes e a sua Área Metropolitana Censitária excede os 2.313.328 milhões de pessoas. Seus habitantes são etnicamente diversos, com 52% tendo uma língua materna diferente do Inglês.
Serrarias estabeleceram-se em 1867 na área conhecida como Gastown, que se tornou o núcleo em torno do qual a cidade cresceu. Vancouver foi incorporada como uma cidade em 1886. Em 1887, a ferrovia transcontinental foi prolongada até a cidade, para aproveitar o seu grande porto natural, que logo se tornou elo vital na rota de comércio entre o Oriente, leste do Canadá e Londres.
 O Porto de Vancouver é o maior e mais movimentado do Canadá, bem como o quarto maior porto (em tonelagem) da América do Norte. A indústria madeireira continua sendo sua maior fonte de renda, mas Vancouver também é conhecida como um centro urbano cercado pela natureza, fazendo do turismo a sua segunda maior indústria. É também o terceiro maior centro de produção cinematográfica na América do Norte depois de Los Angeles e Nova York, ganhando o apelido de "Hollywood do Norte".
Vancouver tem sido classificada como "a cidade mais habitável" no mundo há mais de uma década, de acordo com avaliações de revistas de negócios. Ele recebeu muitos congressos e eventos internacionais, incluindo a Conferência das Nações Unidas sobre Assentamentos Humanos de 1976 e a Exposição Mundial de Transporte e Comunicação de 1986 (Expo 86). Os Jogos Olímpicos de Inverno de 2010 e os Jogos Paraolímpicos de Inverno de 2010 foram realizados em Vancouver e nas proximidades de Whistler, comunidade a 125 km (78 milhas) ao norte de Vancouver, entre os dias 12 e 28 de fevereiro.
As coordenadas geográficas de Vancouver são 49°16′N 123°7′O. A cidade localiza-se na Zona do Pacífico (UTC-8), e na Ecozona Marítima do Pacífico. Vancouver é adjacente ao Estreito de Geórgia, um corpo de água separado pela Ilha Vancouver. A cidade de Vancouver localiza-se na Península Burrard, entre o Burrard Inlet ao norte e o Rio Fraser ao sul.
Bairros oficiais de Vancouver (uso local e urbano varia).
As pessoas não familiarizadas com a região podem ficar surpresas ao saberem que Vancouver não se localiza na Ilha Vancouver. Porém, tanto a ilha quanto a cidade (bem como a sua irmã americana, localizada no Estado de Washington) foram assim chamadas em homenagem ao Capitão da Marinha britânica George Vancouver, que havia explorado a região em 1792.
Vancouver possui uma área de 114,67 km², incluindo terrenos planos e montanhosos. A cidade é cercada por água. Embora antigos documentos indiquem que o número de rios e riachos cortando a região onde hoje se localiza Vancouver possa chegar aos 50, atualmente apenas quatro rios cortam a cidade. Vancouver possui cerca de 11 km² de parques e playgrounds.
A qualidade do ar de Vancouver tem melhorado nas últimas décadas, graças às ações de diversos níveis de governo, bem como ao uso de combustíveis mais limpos e automóveis menos poluentes. Apesar disso, a prefeitura de Vancouver antevê problemas e desafios quanto à poluição atmosférica, nos próximos anos, por causa do previsto crescimento populacional e econômico da cidade.
Vancouver possui mais edifícios per capita do que qualquer outra cidade na América do Norte. Porém, a grande maioria desses edifícios são de média elevação. A maior parte dos edifícios de Vancouver possui entre 90 e 130 metros de altura, com os arranha-céus mais altos chegando aos 150 metros, resultado de diversas restrições de altura existentes na cidade, para proteger o cenário montanhoso do entorno da cidade.
Vista noturna panorâmica de Vancouver.
Nuvens sobre Vancouver. Vancouver possui a reputação de ter tempo nublado e chuvoso, embora essas características predominem no inverno.
Vancouver tem um clima oceânico e possui, no inverno, a segunda mais alta temperatura média do país, atrás apenas de Victoria. Seu verão, no entanto, é um dos mais amenos do país. Os invernos não muito frios e os verões não muito quentes se devem principalmente ao fato de a cidade estar localizada no litoral. Enquanto em outras cidades canadenses, como Toronto, Montreal e Ottawa, as temperaturas podem chegar a -20°C no inverno e a 35 °C no verão, em Vancouver raramente chega a -10 °C no inverno e a 30 °C no verão.
O total de precipitação média anual varia entre 110 a 350 cm ou mais. Os meses de verão são geralmente ensolarados, secos e amenos, com temperatura média de 22 °C em julho e agosto (embora verões de anos recentes tenham sido mais quentes, especialmente no final de julho). Tempestades são raras: ocorrem, geralmente, entre quatro a seis por ano.
Vancouver, no Canadá, possui a reputação de ser uma cidade chuvosa. Apesar disso, a cidade registra apenas 166 dias de chuva, sendo que 289 dias são ensolarados. Os invernos de Vancouver, porém, podem ser escuros, na medida em que o céu da cidade durante essa estação muitas vezes fica encoberto com nuvens de baixa altitude. Vancouver também tem reputação de ser uma cidade onde não neva. Porém, Vancouver e sua região metropolitana constantemente registram precipitação de neve durante o inverno, sendo que não há registro até os dias atuais de um inverno em que não tivesse ocorrido nenhuma precipitação de neve no Aeroporto Internacional de Vancouver. Mesmo nevando na cidade, as taxas de precipitação de neve de Vancouver podem ser consideradas baixas, segundo padrões canadenses - embora houvesse anos em que foi registrada maior precipitação de neve em Vancouver do que em Toronto (1949–1950, 1968–1969, 1970–1971, 1990–1991). Na maior parte do ano, entretanto, tende a possuir temperaturas mais amenas do que o resto do Canadá.
O comércio internacional é a principal fonte de renda de Vancouver. A cidade possui o porto mais movimentado do Canadá, sendo um dos principais portais do comércio pan-Pacífico da América do Norte. O porto de Vancouver é o mais movimentado da América do Norte quanto ao total de exportações, e o segundo mais movimentado da costa oeste do continente, quanto à tonelagem movimentada anualmente. O porto de Vancouver é o maior e o mais diversificado do Canadá, responsável pelo comércio de mais de US$43 bilhões em produtos entre mais de 90 países anualmente.
O centro financeiro de Vancouver concentra as sedes de empresas de produtos florestais e mineradoras, bem como filiais de bancos nacionais e internacionais. Há alguns anos, Vancouver transformou-se num centro de desenvolvimento de softwares e de biotecnologia. Possui aproximadamente 1.800 acres de área industrial, que fornecem variada gama de serviços de suporte e manufatura. A cidade possui cerca de 2000 fábricas, que empregam aproximadamente 72 mil pessoas. Os principais produtos fabricados na cidade são derivados de madeira e petróleo.
Um dos apelidos de Vancouver é Hollywood North (Hollywood do Norte). Isso está relacionado ao fato de que a cidade é cenário de aproximadamente 10% dos filmes de Hollywood. Muitas séries de televisão e filmes americanos são filmados exclusivamente em Vancouver, por várias questões: a cotação favorável do dólar canadense, o fuso horário igual ao de Los Angeles, e, ainda, pelo fato de que os bairros de Vancouver têm aparência variada, que pode fazer com que a cidade seja similar a diversas outras cidades do mundo.
Vancouver é, historicamente, a capital financeira do oeste canadense, abrigando as sedes e filiais do oeste canadense de várias empresas, inclusive de bancos. Mas,recentemente, muitas empresas com sede na cidade transferiram-se para Calgary, na província vizinha de Alberta, atraídos por impostos menores e pela indústria petrolífera.
Vista panorâmica do centro financeiro de Vancouver.
O turismo é vital para Vancouver, um pólo turístico primário. As atrações de Vancouver incluem as paisagens existentes em torno da cidade e os diversos parques, praias e jardins, em especial, o Stanley Park, que é uma de suas maiores atrações. Diversos estações de esqui estão localizadas em montanhas próximas a Vancouver.



Entre elas, está a Whistler-Blackcomb Resort, localizada a 126 quilómetros da cidade, que foi uma das sedes dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2010.
Vancouver é uma cidade que vive basicamente do turismo, com centenas de parques, praias, lagos e montanhas, sem contar com os vários prédios famosos e com algumas construções em estilo europeu.
A Universidade da Colúmbia Britânica com o centro de Vancouver e North Vancouver ao fundo.
As escolas de Vancouver são administradas pelo Vancouver School Board (Conselho Escolar de Vancouver), o segundo maior distrito escolar da Colúmbia Britânica, composta por cerca de 120 escolas, que são responsáveis pela educação de 70 mil estudantes de Vancouver e cidades vizinhas. A cidade ainda tem outras 40 escolas privadas. As escolas de ensino de inglês para estrangeiros (ESL- English Second Language) se tornaram um grande atrativo e respondem hoje por uma boa parcela do contingente de alunos internacionais na cidade através do sistema homestay.
O sistema bibliotecário de Vancouver é composto de uma biblioteca central e outras 15 bibliotecas menores. A cidade é servida pela Universidade da Colômbia Britânica, que, com seus 27 mil estudantes, é uma das maiores universidades do Canadá. Outras instituições de educação superior importantes incluem a Universidade Simon Frasier, localizada na vizinha Burnaby, e a Vancouver Film School.
A Lions Gate Bridge conecta Vancouver ao distrito de North Vancouver.












Vancouver é um importante centro ("hub") de transportes canadense, possuindo o maior porto do Canadá. O Aeroporto Internacional de Vancouver é o segundo aeroporto mais movimentado do país, em número de passageiros anuais, sendo a principal ligação entre o Canadá e a Australia, e um das principais da América do Norte. Existe um outro aeroporto na região metropolitana de Vancouver que é o Aeroporto Internacional de Abbotsford. Existe também a balsa que liga a cidade para a Ilha Vancouver.
Um grande número de leis municipais e a geografia da cidade impediram que vias expressas fossem construídas na cidade. Como resultado, Vancouver é uma das poucas grandes cidades no Canadá e nos Estados Unidos que não é cortada por vias expressas. O sistema de vias públicas de Vancouver é da forma de grade, com a maior parte das ruas e avenidas correndo no sentido leste-oeste ou norte-sul. O sistema de transporte público da cidade é administrado pela TransLink, e é composto por um sistema de linhas de ônibus e três linhas de metrô.
O Marine Building visto da Hastings Street.



Edifícios magníficos como a Christ Church Cathedral, o Hotel Vancouver, o Museu de Antropologia e a Galeria de Arte de Vancouver preenchem a cidade. Existem também vários edifícios modernos no centro da cidade, como o Harbour Centre, os Tribunais Legislativos de Vancouver e a praça em redor, conhecida como Praça Robson, a Praça da Biblioteca de Vancouver, remanescente do Coliseu de Roma e o estádio BC Place.
A sede original da BC Hydro é um edifício modernista, convertida nos Condomínios Electra. Também importante é o Edifício MacMillan-Bloedel. Uma proeminente adição à cidade foi a tenda gigante do Canada Place, um dos pavilhões da Expo '86, que sedia o Centro de Convenções de Espectáculos de Vancouver, assim como um terminal de navios-cruzeiro e o Hotel Pan Pacífico. Dois modernos arranha-céus que definem o horizonte são a Câmara Municipal e o Pavilhão do Centenário do Hospital de Vancouver, ambos cercados por Townley e Matheson.
Uma variedade de edifícios do período eduardiano no centro da cidade eram os maiores Reino Unido no período de sua construção. Esses edifícios são o Province Building, o Dominion Building e a Sun Tower. Inspirados pelos Chrysler Building de Nova Iorque, o Marine Building é conhecido pelas suas elaboradas telhas de cerâmica, que o tornaram dos locais favoritos para filmagens. Outro importante edifício do eduardiano é a Galeria de Arte de Vancouver, desenhada por Francis Mawson Rattenbury, que também sediou a legislatura provincial e o Hotel Vancouver.
Quanto aos edifícios mais altos de Vancouver, o primeiro lugar está com o One Wall Centre (150 m), seguido de perto pela Shaw Tower (149 m) (março de 2008).
http://pt.wikipedia.org/wiki/Vancouver



Fontes : além das já citadas









    









Nenhum comentário:

Postar um comentário